Juíza vê indícios de estelionato e lavagem, afasta Sidnei Piva da gestão da Itapemirim e determina uso de tornozeleira

Juíza vê indícios de estelionato e lavagem, afasta Sidnei Piva da gestão da Itapemirim e determina uso de tornozeleira

Empresário é investigado pelo Ministério Público de São Paulo sob suspeita de desviar recursos de credores no processo de recuperação judicial da Viação Itapemirim para criar e financiar empresas paralelas

Rayssa Motta

24 de fevereiro de 2022 | 18h38

Companhia aérea ITA, do grupo Itapemirim, paralisou operações em dezembro do ano passado. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

A Justiça de São Paulo proibiu o empresário Sidnei Piva de exercer qualquer cargo no processo de recuperação judicial do Grupo Itapemirim e determinou que ele passe a ser monitorado por tornozeleira eletrônica.

Documento

A decisão é da juíza Luciana Menezes Scorza, do Foro Criminal da Barra Funda, para quem a permanência do empresário no cargo possibilitaria, ‘em tese, expender esforços para desviar recursos para qualquer empresa paralela’.

“Há indícios suficientes de materialidade e autoria delitivas dos crimes falimentares, estelionatos, lavagem de dinheiro e possível organização criminosa imputados ao averiguado Sidnei Piva dos Santos, restando inegável a gravidade dos crimes que lesionaram inúmeras pessoas”, diz um trecho da decisão.

O afastamento foi determinado no âmbito de uma representação criminal movida pela família Cola, fundadora do conglomerado de transporte, que pediu a prisão o empresário. A juíza, no entanto, decidiu por medidas alternativas enquanto o Ministério Público de São Paulo não conclui a investigação.

A decisão ainda impõe o comparecimento mensal do empresário à Justiça para informar e justificar suas atividades, a entrega do passaporte e a proibição de sair do território nacional sem autorização judicial.

Piva é acusado de desviar recursos dos credores para criar e financiar empresas paralelas. Uma delas seria a ITA Transportes Aéreos, que paralisou os voos no final do ano passado, sete meses após entrar em operação. De acordo com a decisão, apenas no dia em que a empresa suspendeu as atividades, foi identificado o desvio de R$ 4,8 milhões.

O empresário também está sob suspeita de constituir uma empresa no Reino Unido que, na avaliação da juíza, tem indícios de lavagem de dinheiro.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO JOSÉ CARLOS RICARDO, QUE REPRESENTA SIDNEI PIVA

Procurado pela reportagem, o advogado José Carlos Ricardo, que representa o empresário Sidnei Diva, disse que a defesa já está preparando um mandado de segurança para derrubar a decisão.

“Tentaram de todas as formas atacar o Sidnei pedindo o afastamento dele. A juíza agiu de maneira precipitada, com o devido respeito ao entendimento jurídico dela”, afirma.

De acordo com o advogado, a competência para decidir sobre um eventual afastamento de Piva é do juiz responsável pela recuperação judicial.

“Essa decisão está comprometendo uma recuperação judicial em um momento de crise em que a recuperanda procura recursos para se reorganizar. Erro gravíssimo, impensado, que prejudica os credores e uma série de pessoas que dependem do Sidnei para trabalhar”, acrescenta.

COM A PALAVRA, A ITAPEMIRIM

Procurada pela reportagem, a Itapemirim não comentou a decisão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.