Juiz suspende propaganda de Trípoli que insinuava Suplicy soltando Lula

Juiz suspende propaganda de Trípoli que insinuava Suplicy soltando Lula

Peça vetada pela Justiça Eleitoral em São Paulo contém um trecho do debate da Rede TV em que candidato ao Senado pelo PSDB questiona rival do PT se voltaria ao Senado para tirar Lula da prisão da Lava Jato; Ricardo Tripoli informou que já recorreu da decisão

Caio Blois/ESPECIAL PARA O BLOG

01 Outubro 2018 | 19h00

Eduardo Suplicy (PT-SP) na Câmara Municipal. FOTO AMANDA PEROBELLI/ESTADÃO

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo deferiu, neste domingo, 30, uma liminar para determinar a suspensão imediata de uma propaganda de Ricardo Tripoli (PSDB-SP), candidato ao Senado, contra Eduardo Suplicy (PT-SP), seu concorrente no pleito. A propaganda insinuava que Suplicy soltaria o ex-presidente Lula, condenado na Operação Lava Jato e preso em Curitiba desde 7 de abril.

Documento

A peça contém um trecho do debate da Rede TV em que Tripoli questiona se Suplicy voltaria ao Senado para soltar Lula. Para o vereador do PT, na representação, Tripoli teria usado a fala como se fosse uma afirmação sua.

Reprodução de ilustração da campanha

“O representado, ao realizar propaganda com trecho do debate e questionar se o representante quer ser senador para soltar o Lula, como se tal fato tivesse sido afirmado pelo representante, insinua que o candidato Eduardo Suplicy se utilizaria do cargo de senador para beneficiar Lula, o que caracteriza possível difamação e, aparentemente, extrapola os limites da liberdade de expressão e direito à crítica constitucionalmente assegurados, acarretando em possível lesão à honra do candidato”, diz o juiz Mauricio Fiorito, autor da decisão.

É facultada ao candidato tucano a substituição por outra propaganda. O descumprimento acarreta a ele uma multa de R$ 10 mil por ato.

Tripoli informou, por meio de sua assessoria, que já recorreu.

COM A PALAVRA, TRIPOLI
Por meio de sua assessoria, o candidato tucano ao Senado declarou. “A gente cumpre a decisão, mas discorda e recorreu. É uma constatação, um fato, e esse fato a gente usa para questionar e criticar a posição do candidato Suplicy.”