Juiz pode impor que condenados em 2ª instância não recorram em liberdade, diz Fux

Juiz pode impor que condenados em 2ª instância não recorram em liberdade, diz Fux

Para o vice-presidente do Supremo, a decisão da Corte impede apenas a 'prisão automática'

Breno Pires / BRASÍLIA

09 de dezembro de 2019 | 12h34

O vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux. Foto: André Dusek/Estadão

O vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, afirmou nesta segunda-feira, 9, que pode haver exceções à recente decisão da Corte que proibiu a execução da pena de prisão para condenados em segunda instância.

O magistrado, que assumirá a presidência do Supremo em setembro de 2020, afirmou também ser a favor de o Congresso aprovar leis que fortaleçam o combate à corrupção e, nesse sentido, citou o pacote anticrime apresentado pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro, bem como o debate legislativo sobre a prisão em segunda instância.

Fux e Moro participaram de evento no Ministério da Justiça pelo Dia Internacional do Combate à Corrupção. Mais cedo, o ministro da Justiça fez um apelo aos parlamentares, em discurso na Câmara, pela volta da condenação em segunda instância.

Segundo Fux, há má interpretação sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal tomada em novembro para impedir a prisão em segunda instância. Na visão dele, a decisão impede apenas a “prisão automática”.

“O Supremo Tribunal Federal decidiu, por maioria, vencida em parte, que não pode haver prisão automática em segunda instância. Então, se o juiz avaliando a prática dos crimes do réu, sabendo que nessa seara dos delitos de corrupção, lavagem de dinheiro, peculato, a possibilidade de destruição de prova é imensa, o juiz pode perfeitamente impor que o réu não recorra em liberdade. E os tribunais podem reafirmar isso. Claro que os tribunais dependem de uma provocação do MP”, disse o ministro.

Fux observou que promotores e juízes podem agir para garantir a prisão nos casos em que ela for necessária.

“Respeitamos a decisão do colegiado, mas temos que estabelecer alguns critérios que não estão sendo observados nem pelo MP (Ministério Público) nem pelo Judiciário. Se juízes e promotores atentarem para alguns fatos, há possibilidade de se aplicar a prisão em segunda instância”, disse.

Resgatando alguns pontos de seu voto no julgamento sobre o tema, o ministro disse que “a presunção de inocência vai sendo limitada no momento que o réu vai sendo condenado”.

“Na condenação em segunda instância, enfraquece sobremodo a presunção da inocência, quase de modo absoluto. O que os tribunais superiores vão dizer não é se eles são inocentes ou não”, argumentou, lembrando que a análise dos fatos envolvidos na acusação se esgota na segunda instância.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: