Juiz não pode ser covarde, diz Gilmar

Juiz não pode ser covarde, diz Gilmar

Em decisão na qual estende os efeitos do habeas corpus concedido ao ‘rei do ônibus’ Jacob Barata Filho a outro preso na Lava Jato no Rio, o ministro afirma que ‘magistrados não podem se curvar ao clamor popular’

Luiz Vassallo, Rafael Moraes Moura e Beatriz Bulla

20 Agosto 2017 | 05h00

Gilmar Mendes FOTO:DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Ao pôr em liberdade, neste sábado, 19, Marcelo Traça Gonçalves, preso desde julho na Operação Ponto Final, braço da Lava Jato no Rio, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes afirmou que ‘juízes não podem ceder à pressão do grupo de trêfegos e barulhentos procuradores nem se curvar ao clamor popular’.

Documento

+ Gilmar solta ‘rei do ônibus’ de novo

+ ‘Se isso prevalecer, o rabo abana o cachorro’, diz Gilmar

+ Força-tarefa da Lava Jato no Rio pede nova suspeição de Gilmar

“A liberdade é a regra no processo penal; a prisão, no curso do processo, justifica-se em casos excepcionais, devidamente fundamentados, e a via do habeas corpus é o instrumento precípuo desta tutela: a proteção da liberdade”.

A Procuradoria da República no Rio de Janeiro pediu a suspeição após a soltura de Jacob Barata Filho, preso preventivamente em 2 de julho.

+ Lava Jato vê ‘intrincadas relações’ entre Gilmar e Rei do Ônibus

+ Lava Jato acha telefone da mulher de Gilmar no celular do Rei do Ônibus

Os procuradores se apegam ao fato de Gilmar ter sido padrinho de casamento da filha de Barata Filho, Beatriz, em julho de 2013.

E que sua mulher, Guiomar Mendes, trabalha num escritório de advocacia que defende investigados da Lava Jato, o escritório Sergio Bermudes.

– OUTRAS DO BLOG: Vaccarezza no IML
+ Vaccarezza mentiu sobre negócios com operador de propinas do PMDB, diz PF
+ ‘Meu querido Vaccarezza’
+ PF pega com Vaccarezza preso R$ 122 mil em dinheiro vivo
+ Vaccarezza é preso na Lava Jato
+ A decisão de Moro que põe Vaccarezza na prisão da Lava Jato

Ao mandar soltar o empresário Marcelo Traça Gonçalves, Gilmar afirma que a prisão preventiva ‘continua a ser encarada como única medida eficaz de resguardar o processo penal’. “Mas esse abuso não pode mais ser admitido! Como dizia Rui Barbosa, ‘o bom ladrão salvou-se, mas não há salvação para o juiz covarde’”.

“É preciso que o Judiciário assuma, com responsabilidade, o papel de órgão de controle dos pedidos do Ministério Público, em vez de se transformar em mero homologador dos requerimentos que lhe são encaminhados”, afirmou.

Gilmar ainda defende que ‘alguns tribunais precisam, urgentemente, resgatar a dignidade perdida, sob pena de não merecerem o próprio nome’.

“Passam a ser departamentos da Polícia ou do Ministério Público. Envergonha, enfim, ver juízes extremamente acuados no seu dever de aplicação da legislação processual penal e da própria Constituição (especialmente do art. 5º, LXVI)”, sustentou.

O empresário Jacob Barata Filho e o ex-presidente da Fetranspor Lélis Teixeira deixaram na manhã deste sábado, 19, o presídio de Benfica.

Gilmar Mendes ainda estendeu o benefício dado ao ‘rei do ônibus’ a Cláudio Sá Garcia de Freitas, Enéas da Silva Bueno e Octacílio de Almeida Monteiro, presos preventivamente.

A Ponto Final mira as relações escusas entre autoridades e o setor de transporte rodoviário. A investigação mira propina de ao menos R$ 260 milhões.