Juiz manda COB entregar em 24 hs todos os emails da secretária de Nuzman

Juiz manda COB entregar em 24 hs todos os emails da secretária de Nuzman

Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Criminal Federal do Rio, acatou pedido da força-tarefa da Operação Unfair Play que pretende investigar as mensagens de Maria Celeste de Lourdes Campos Pedroso com Papa Massata Diack, filho de Lamine Diack, ex-presidente da Federação Internacional de Atletismo

Julia Affonso e Constança Rezende/RIO

09 de outubro de 2017 | 19h51

Carlos Arthur Nuzman. Foto: Wilton Junior/Estadão

O juiz Marcelo Bretas, da 7.ª Vara Criminal Federal do Rio, mandou intimar o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) para que apresente no prazo de 24 horas ‘o integral conteúdo da caixa de email’ de Maria Celeste de Lourdes Campos Pedroso, secretária de Carlos Arthur Nusman – presidente do COB preso em regime preventivo por suspeita de envolvimento em esquema de corrupção na compra de votos de apoio para eleger o Rio sede dos Jogos/2016.

Documento

A decisão judicial acolhe pedido da força-tarefa da Operação Unfair Play, que prende Nuzman e seu braço direito, Leonardo Gryner, este em prisão temporária.

Procuradoria suspeita que fortuna de Nuzman no cofre suíço pode ir além do ouro

Os procuradores da República que integram a força-tarefa, nove procuradores, querem rastrear os contatos de Maria Celeste para fechar o cerco a Nuzman. Eles suspeitam de emails da secretária ‘para tratar do assunto de pagamento de propinas’.

+ Judoca João Derly defende a saída de Nuzman do COB e democratização na entidade

Nuzman foi preso no dia 5 na segunda fase da Unfair Play. Segundo a força-tarefa, o grupo do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) comprou o voto de Lamine Diack, por US$ 2 milhões, por meio de Papa Diack. O pagamento teria sido feito pela empresa Matlock Capital Group, do empresário Arthur Soares, o ‘Rei Arthur’.
“Defiro. Intime-se o Comitê Olímpico Brasileiro e Comitê Organizador Rio/2016 para que apresentem no prazo de 24 horas o integral conteúdo da caixa de email de Maria Celeste de Lourdes Campos Pedroso (maria.celeste@cob.org.br), bem como esclarecer as razões que levaram à impossibilidade da extração dos dados na data de 5 de outubro, no momento do cumprimento do mandado de busca e apreensão”, decidiu o juiz Bretas.

Tendências: