Juiz destaca ‘habilidade’ de Eduardo Cunha ’em ocultar e dissimular propinas’

Juiz destaca ‘habilidade’ de Eduardo Cunha ’em ocultar e dissimular propinas’

Sérgio Moro destacou que 'não foi ainda possível identificar toda a dimensão das atividades delitivas do ex-deputado federal Eduardo Cosentino da Cunha, nem a localização do produto dos crimes em toda a sua extensão'.

Ricardo Brandt, fausto Macedo, Julia Affonso, Mateus Coutinho e Fábio Serapião

19 de outubro de 2016 | 16h02

Eduardo Cunha. Foto: André Dusek/Estadão

Eduardo Cunha. Foto: André Dusek/Estadão

O juiz federal Sérgio Moro alertou para a ‘habilidade’ do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) em ‘ocultar e dissimular propinas’. O peemedebista foi preso nesta quarta-feira, 19, em Brasília, na Operação Lava Jato.

Documento

No longo despacho de 26 páginas em que fundamenta o decreto de prisão do peemedebista, o juiz da Lava Jato destacou ‘a habilidade do acusado em ocultar e dissimular propinas, com contas secretas no exterior, parte não totalmente identificada nem sequestrada, permanece incólume’.

Moro destacou que ‘não foi ainda possível identificar toda a dimensão das atividades delitivas do ex-deputado federal Eduardo Cosentino da Cunha, nem a localização do produto dos crimes em toda a sua extensão’.

Eduardo Cunha foi preso sob acusação de receber US$ 5 milhões em propina no contrato da Petrobrás para exploração do campo de Benin, na África, em 2011.

Segundo o juiz, amparado em informações da Procuradoria da República, ‘parte do produto do crime teria sido ocultado e dissimulado em contas secretas no exterior’.

Moro advertiu para o risco de fuga do mais novo prisioneiro da Lava Jato. “Enquanto não houver rastreamento completo do dinheiro e a total identificação de sua localização atual, há um risco de dissipação do produto do crime, o que inviabilizará a sua recuperação. Enquanto não afastado o risco de dissipação do produto do crime, presente igualmente um risco maior de fuga ao exterior, uma vez que o acusado poderia se valer de recursos ilícitos ali mantidos para facilitar fuga e refúgio no exterior.”

 

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoEduardo Cunha