Juiz decide hoje se mantém na cadeia suspeitos de hackear Moro e Deltan

Juiz decide hoje se mantém na cadeia suspeitos de hackear Moro e Deltan

Período de prisão temporária se encerra nesta quinta, 1; Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, vai analisar se solta ou mantém presos Walter Delgatti Neto, o ‘Vermelho’, Danilo Cristiano Marques, Gustavo Henrique Elias Santos e Suelen Priscila de Oliveira, alvos da Operação Spoofing

Luiz Vassallo

01 de agosto de 2019 | 05h39

Reprodução

O juiz federal Vallisney de Oliveira, da 10ª vara Federal, decide nesta quinta-feira, 1, se mantém, ou não, presos os quatro alvos da Operação Spoofing, que mira o hackeamento de mil pessoas, entre elas, autoridades dos três Poderes.

Walter Delgatti Neto, o ‘Vermelho’, Danilo Cristiano Marques, Gustavo Henrique Elias Santos e Suelen Priscila de Oliveira foram detidos no dia 23.

O decreto é temporário, ou seja, tem prazo de cinco dias, prorrogáveis por mais cinco. O magistrado já estendeu uma vez este período, que expira nesta quinta, 1.

Na última sexta, 27, Vallisney os manteve na prisão e impôs um bloqueio de criptomoedas contra os investigados. O magistrado entendia que ainda havia celulares a serem analisados pela PF e que ainda havia vítimas a serem identificadas.

Também restava dúvida sobre a origem do dinheiro encontrado nas contas dos investigados, além de R$ 99 mil no apartamento de Gustavo e Suellen, em São Paulo.

Nesta quarta, 31, a PF chegou a pedir que Danilo Marques fosse solto, mas, voltou atrás e requereu a manutenção de seu encarceramento. O magistrado acolheu.

Segundo os federais, ‘verificou-se que Danilo teria de fato conhecimento das invasões a contas de aplicativos do Telegram que eram realizadas por Walter Delgatti Neto’. Também ‘foi observada a intensa troca de mensagens indicativas da participação de Danilo Cristiano Neto em fraudes bancárias juntamente com outras pessoas’.

Entre as vítimas de ataques no período investigado pela Operação Spoofing, estão o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Justiça Sérgio Moro, o presidentes da CâmaraRodrigo Maia, e do SenadoDavi Alcolumbre, o presidente do Superior Tribunal de JustiçaJoão Otávio de Noronha, o ministro do SupremoAlexandre de Moraes, além de procuradores, magistrados, políticos, jornalistas, que integram a lista de aproximadamente mil vítimas.

As contas de Gustavo e Suellen movimentaram R$ 424 mil entre abril e junho de 2018, Já a conta de Suelen movimentou R$ 200 mil entre março e o fim de maio deste ano.

Além de um suposto ‘patrocínio’ aos ataques hacker, a Polícia Federal trabalha com a possibilidade de o dinheiro ser fruto de fraudes bancárias, já que parte dos investigados é alvo de ações por estelionato, e um deles já foi preso com cartões e cheques falsos.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: