Juiz de garantias ‘burocratiza investigação’ e pode levar à nulidade de processos, alerta Smanio

Juiz de garantias ‘burocratiza investigação’ e pode levar à nulidade de processos, alerta Smanio

Procurador-geral de Justiça de São Paulo avalia que País vive uma 'inversão de valores' e cobra que 'teria sido muito mais racional estabelecer um prazo mais dilatado para que o Judiciário e o Ministério Público se adaptassem à nova realidade'

Pepita Ortega e Fausto Macedo

09 de janeiro de 2020 | 07h27

Gianpaolo Poggio Smanio. FOTO: WERTHER SANTANA/ESTADÃO

O procurador-geral de Justiça de São Paulo, Gianpaolo Poggio Smanio, avalia que o juiz de garantias ‘burocratiza a investigação e traz custos para o sistema que devem ser considerados em tempos de restrições orçamentárias’.

Em entrevista ao Estadão, Smanio alerta que ‘o risco que se corre é que eventuais divergências entre o juiz de garantias e o juiz do caso propriamente dito atrasem ainda mais o processo, levando até mesmo à nulidade em situações mais extremas’.

O juiz de garantias foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro no âmbito do pacote anticrime.

O juiz de garantias desconforta a própria magistratura. Duas das principais entidades da toga se insurgiram contra a nova figura e já bateram às portas do Supremo – Associação dos Magistrados Brasileiros e Associação dos Juízes Federais apontam inconstitucionalidades.

O chefe do Ministério Público paulista considera que o objetivo do legislador pode ter sido ‘o mesmo que se tentou alcançar com a lei de abuso de autoridade’.

“Tenho alertado, no entanto, que estamos diante de uma inversão de valores”, diz o procurador. “A grande questão a enfrentar no Brasil é a corrupção. Isso tem de ser considerado quando se discutem alterações na legislação.”

Leia a entrevista de Gianpaolo Smanio

ESTADÃO: Qual a avaliação do sr sobre o juiz de garantias?

GIANPAOLO SMANIO: Na avaliação do Ministério Público de São Paulo, a figura do juiz de garantias burocratiza a investigação e traz custos para o sistema que devem ser considerados em tempos de restrições orçamentárias. Já há controle judicial atualmente sobre a investigação. O risco que se corre é que eventuais divergências entre o juiz de garantias e o juiz do caso propriamente dito atrasem ainda mais o processo, levando até mesmo à nulidade em situações mais extremas. Em suma, perde-se mais do que se ganha com a figura do juiz de garantias.

ESTADÃO: O sr. acredita que essa nova figura possa prejudicar investigações como a Lava Jato?

GIANPAOLO SMANIO: Teoricamente pode haver prejuízo. Mas é importante lembrar que o dia a dia da Justiça Criminal refere-se aos casos de roubo, latrocínio, estupro e outros delitos nesta linha. No Brasil, leva muito tempo entre o cometimento do crime e a sentença. Esse cenário pode ficar ainda mais crítico.

 Gianpaolo Poggio Smanio Procurador-Geral de Justiça do Estado de São Paulo. FOTO:WERTHER SANTANA/ESTADÃO

ESTADÃO: Qual é a intenção do legislador ao criar o juiz de garantias?

GIANPAOLO SMANIO: Creio que o mesmo que se tentou alcançar com a lei de abuso de autoridade. Tenho alertado, no entanto, que estamos diante de uma inversão de valores. A grande questão a enfrentar no Brasil é a corrupção. Isso tem de ser considerado quando se discutem alterações na legislação.

ESTADÃO: Segundo os juízes federais, 40% das comarcas só dispõem de um único magistrado. Como vai funcionar o novo sistema nessas localidades? De que forma isso atinge o Ministério Público? O sr estuda ingressar com Ação de Inconstitucionalidade do juiz de garantias?

GIANPAOLO SMANIO: Essa realidade de inúmeras comarcas, que contam apenas com o juiz e o promotor, exigirá do Poder Público um grande esforço em termos orçamentários para implementar o juiz de garantias. Por isso teria sido muito mais racional estabelecer um prazo mais dilatado para que o Judiciário e o Ministério Público se adaptassem à nova realidade. O Supremo vai se manifestar sobre o juiz de garantias, provavelmente modulando o que o Legislativo aprovou.

ESTADÃO: Os promotores podem ficar desestimulados?

GIANPAOLO SMANIO: Independentemente do que venha a ocorrer, posso afiançar à população que os promotores e procuradores de São Paulo continuarão a atuar, de maneira firme, contra qualquer um que se insurja contra o ordenamento jurídico do país.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: