Juiz da Lava Jato autoriza depoimento de Duque à CPI

Ex-diretor será levado de Curitiba a Brasília na quinta-feira para ser ouvido em Brasília

Redação

17 de março de 2015 | 16h33

Por Julia Affonso, Fausto Macedo e Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba

O juiz federal Sérgio Moro, que conduz todas as ações da Operação Lava Jato, autorizou nesta terça-feira, 17, o depoimento do ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque à CPI da estatal petrolífera na Câmara. Ele deverá ser transferido a Brasília para ser ouvido na quinta-feira, 19. A Polícia Federal poderá sugerir que o depoimento de Duque seja realizado na própria sede da corporação em Curitiba.

O ex-diretor da estatal foi preso na segunda-feira, 16, em casa, no Rio, e levado à carceragem da Polícia Federal em Curitiba (PR), base das investigações. Em ofício endereçado a Moro, o secretário-executivo da CPI da Petrobrás, Manoel Alvim, havia pedido para que fossem determinados a custódia e o translado de Renato Duque para Brasília.

Adir Assad, Lucelio Goes and former Petrobras executive, Renato Duque are escorted by Federal Police as they leave the Institute of Forensic Science in Curitiba

 

“O local da oitiva deverá ser definido diretamente entre a CPI e a Polícia Federal, devendo ser assegurada, porém, a segurança do preso”, afirmou Moro. “De forma desnecessária e redundante, consigno, não obstante, que a Renato Duque devem ser garantidos os direitos inerentes à condição de acusado/investigado, inclusive direito ao silêncio e à assistência pelo defensor constituído.”

 

A Comissão foi criada na Câmara dos Deputados para investigar o esquema de corrupção envolvendo a estatal, desbaratado pela força-tarefa da Lava Jato. No início do mês, a CPI havia decidido ouvir Renato Duque.

 

Segundo investigadores da Lava Jato, Renato Duque é o elo do PT com o esquema de desvio de dinheiro na Petrobrás. O protagonismo de Duque foi reafirmado na última terça-feira (10) pelo o ex-gerente executivo da Diretoria de Serviços da Petrobrás Pedro Barusco em depoimento à CPI.

 

O ex-diretor Renato Duque foi preso pela segunda vez nesta segunda feira, 16. Na primeira vez, em novembro do ano passado, ele questionou a seu advogado, por telefone: “Que País é esse?”. A frase batizou a décima fase da Operação, deflagrada nesta segunda feira, 16.

 

Tendências: