Juiz cita Bíblia e Emicida para destinar verbas do Fundo Penitenciário para a Santa Casa de José Bonifácio

Juiz cita Bíblia e Emicida para destinar verbas do Fundo Penitenciário para a Santa Casa de José Bonifácio

'Momento grave exige o afloramento do maior sentimento humano, o amor', decidiu Senivaldo dos Reis Junior, magistrado do pequeno município de 37.015 habitantes situado a 418 km de São Paulo

Pedro Prata

02 de abril de 2020 | 15h24

O juiz Senivaldo dos Reis Junior, da 2.ª Vara de José Bonifácio, no interior de São Paulo, anotou que a pandemia do novo coronavírus é ‘grave e exige o afloramento do maior sentimento humano, o amor’ ao liberar 75% do Fundo Penitenciário para a Santa Casa de Misericórdia comprar materiais e equipamentos médicos necessários ao enfrentamento da covid-19.

Documento

“Ressalto que estamos passando por momento grave e que exige o afloramento do maior sentimento humano, o amor”, escreveu o magistrado, antes de citar o livro dos Coríntios, capítulo 13, versículos 4 e 5: “Já está escrito há milhares de anos: ‘Mesmo que eu dê aos necessitados tudo o que possuo e entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, todas essas ações não me trarão qualquer benefício real. O amor é paciente; o amor é bondoso.”

A destinação dos recursos do Fundo Penitenciário foi solicitada pelo presidente da Ordem dos Advogados do Brasil em José Bonifácio, Rodrigo Fachin Medeiros.

Reis Junior ponderou. “De toda forma, é de conhecimento público que o auge da epidemia em nosso País deve ocorrer na próxima semana, sendo certo que a atuação preventiva é o melhor remédio.”

A decisão tem base no provimento do corregedor-geral da Justiça paulista, desembargador Ricardo Mair Anafe, que decidiu pela destinação preferencial de todos os recursos provenientes de prestação pecuniária para a aquisição de materiais e equipamentos médicos, insumos, medicamentos e contratação de serviços necessários ao combate da pandemia da covid-19.

O magistrado terminou a decisão com a letra da música Principia, do rapper Emicida, com participação de Pastor Henrique Vieira, Fabiana Cozza e Pastoras do Rosário: “Seria, sim, seria se não fosse o amor/O amor cuida com carinho, respira o outro, cria o elo/No vínculo de todas as cores, dizem que o amor é amarelo/É certo na incerteza/Socorro no meio da correnteza/Tão simples como um grão de areia Confunde os poderosos a cada momento”.

Trecho do rap ‘Principia’, de Emicida. Foto: Reprodução

Tudo o que sabemos sobre:

EmicidacoronavírusSão Paulo [estado]

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: