Juiz acusa promotora de ‘acobertar’ filho bêbado que capotou carro e fugiu

Juiz acusa promotora de ‘acobertar’ filho bêbado que capotou carro e fugiu

José Augusto Marzagão, de Bragança Paulista, interior de São Paulo, registrou boletim de ocorrência na madrugada desta quarta, 10, em que relatou ter dado voz de prisão em flagrante a Julio Braga Taberti, 'no que foi interrompido pela pessoa que acompanhava o investigado e que lhe disse': 'você sabe com quem está falando?', 'você sabe com quem está mexendo?'

Luiz Vassallo

10 de julho de 2019 | 17h09

Foto: Reprodução/ Bragança em Pauta

Um juiz de Bragança Paulista, interior de São Paulo, registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil em que acusa uma promotora de Justiça de ‘acobertar’ o filho, que teria capotado o carro bêbado em um condomínio da cidade. O caso ocorreu na madrugada desta quarta, 10.

O juiz José Augusto Marzagão afirmou ter recebido uma ligação, à noite, de seu filho, pedindo para buscá-lo. Segundo seu relato, quando chegou ao local, ‘percebeu uma movimentação grande de pessoas, adolescentes que ali estavam e que gritavam ‘o carro capotou’, ‘vamos socorrer’, ‘estão todos ai?’.

“Percebeu então que, de fato, o veiculo relacionado havia despencado de um barranco , capotando e vindo a estacionar numa árvore, que impediu de cair dentro do lago”, consta do Boletim de Ocorrência.

Segundo o magistrado, ‘nesse momento visualizou do barranco, o investigado, condutor do veículo, que literalmente engatinhava , sendo escorado por um indivíduo do sexo masculino, jovem, cujo nome não sabe’.

“Nesse momento, ambos se aproximaram do declarante que o interpelou: “você sabe o que fez? tem consciência que poderia ter atropelado as adolescentes?”, consta no registro.

O juiz afirmou que Julio Braga Taberti, responsável pelo veículo, ‘sequer conseguia verbalizar qualquer explicação e apresentava um odor etílico muito forte, olhos muito avermelhados, e não conseguia sequer permanecer em pé’.

Consta do B.O. que o juiz, naquele momento, deu voz de prisão em flagrante a Taberti, ‘no que foi interrompido pela pessoa que acompanhava o investigado, o qual também apresentava os mesmos sinais, quais sejam, forte odor etilico, olhos avermelhados e voz pastosa, e que lhe disse’: ‘você sabe com quem está falando?’, ‘você sabe com quem está mexendo?’

O juiz afirmou ter chamado a Polícia, ‘oportunidade em que chegou ao local dos fatos um veículo Corolla , de cor preta, modelo mais recente, em cujo interior haviam os pais do investigado, quais sejam as pessoas de Marcos Taberti e Vera Taberti, que inclusive é Promotora de Justiça’.

“A mesma indagou inclusive o declarante, que foi enfático ao relatar que o investigado quase chegou a atropelar as adolescentes que atravessaram a rua, segundos antes, dele ali passar, conduzindo o veiculo incontrolavelmente, fato este também presenciado e comentado pelos demais adolescentes que estavam no local”, diz o B.O.

O juiz afirma que ‘a genitora do investigado que inclusive ele poderia ter colhido aquelas pessoas, e que estava bêbado, dando-lhe assim ciência sobre todo o ocorrido’.

“Disse-lhe também que a Policia já havia sido acionada e que estava prestes a chegar, no que todos deveriam aguardar para que o caso fosse apresentado na Delegacia.”

“Nesse momento, enquanto a genitora do investigado se dirigia a ele, o declarante, tentava acalmar os adolescentes, diante de todo o ocorrido, no que ouviu um adolescentes gritar ‘ele tá fugindo’, afirma.

Segundo o magistrado, ‘nesse momento então o investigado deixou o local dos fatos no veículo Corolla de cor preta’.

“A genitora do investigado, no entanto, ali permaneceu, tendo o declarante inclusive a interpelado no sentido ‘a senhora tem consciência que ele está fugindo e que a senhora o está acobertando?’.

O juiz afirma que, ‘nisso , ela nada respondeu, deixando logo em seguida o local em outro veiculo (VW Saveiro cabine dupla)’.

“O senhor Fernando Dominicci de Oliveira, que estava no local, disse ao declarante ‘me desculpa, pois ele estava em minha casa bebendo e foi alertado para não sair com o veiculo’, fato também confirmado pela filha de Fernando. O local possui câmeras de segurança (speed domem) que com certeza flagraram tudo o que aconteceu. Registra os fatos para as providências”, consta do boletim da polícia.

COM A PALAVRA, A PROMOTORA VERA TABERTI

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do Ministério Público. O espaço está aberto para manifestação.

Tendências: