José Dirceu pede indulto na ação do mensalão

Advogados de defesa do ex-ministro-chefe da Casa Civil, condenado a 7 anos e onze meses na Ação Penal 470, protocolam pedido no gabinete do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Treibunal Federal

Fausto Macedo e Fernanda Yoneya

01 de fevereiro de 2016 | 18h13

O ex- ministro José Dirceu está preso em Curitiba, sede da Lava Jato. Foto: Futura Press

O ex- ministro José Dirceu. Foto: Futura Press

O ex-ministro José Dirceu (Casa Civil) requereu ao ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, extinção da punibilidade pelo reconhecimento do direito ao indulto na ação penal do mensalão. Condenado a 7 anos e 11 meses de prisão por crime de corrupção na Ação Penal 470, Dirceu argumenta, por meio de seus advogados, que o delito pelo qual foi punido não consta do rol do artigo 9.º do Decreto 8615/2015, que dispõe sobre os crimes que o benefício não alcança.

Os advogados do ex-ministro ressaltam que o artigo 4.º do decreto estabelece que deve ser computada ao indulto “para efeitos da integralização do requisito temporal” a remição da pena.

A defesa argumenta que um quarto da pena (24 meses) já cumprido assegura a Dirceu o indulto. O ex-ministro foi preso em 16 de novembro de 2013, ou seja, há 26 meses, destacam os criminalistas que compõem o núcleo de defesa de Dirceu – José Luís Oliveira Lima, Rodrigo Dall’Acqua e Anna Luiza Sousa, “não computados os dias remidos pelo estudo e trabalho na prisão”. “Todos os requisitos previstos estão preenchidos”, assinalam os defensores.

Documento

Dirceu cumpria prisão em regime domiciliar em Brasília, quando foi preso no dia 3 de agosto de 2015 em caráter preventivo em outro processo, da Operação Lava Jato.

Os advogados reforçam o pedido de indulto no processo do mensalão com o fato de o ex-ministro não ter cometido falta disciplinar de natureza grave no período em que esteve recolhido na Penitenciária da Papuda – como réu da Ação Penal 470. “O requerente (Dirceu) não praticou nenhuma falta disciplinar grave que o impeça de ser beneficiado.”

Os advogados pedem preferência na tramitação do pedido na Corte máxima com respaldo no Estatuto do Idoso porque Dirceu tem 69 anos de idade.

Mais conteúdo sobre:

Mensalão