Jogos Olímpicos: testagem diária para coronavírus

Jogos Olímpicos: testagem diária para coronavírus

Hélio Magarinos Torres Filho*

25 de julho de 2021 | 04h30

Hélio Magarinos Torres Filho. FOTO: DIVULGAÇÃO

Por conta da pandemia do novo coronavírus, os Jogos Olímpicos do Japão estão cercados por polêmicas sobre a realização da competição. E isso vêm chamando cada vez mais atenção do mundo todo. Apesar dos protestos da população japonesa e da petição do Sindicato dos Médicos do Japão, que pediram o cancelamento do evento, o Comitê Olímpico Internacional bateu pé e preparou uma operação de guerra para receber atletas e comissões dos países participantes. E no meio de tudo isso, Tóquio está em estado de emergência sanitária, por conta do aumento do número de casos de coronavírus.

Para tentar evitar um desastre, com um possível descontrole de infeções, o COI – Comitê Olímpico Internacional –, divulgou normas que estão sendo usadas para garantir a segurança de todos. Na segunda versão do “Playbook”, livro das regras de comportamento para cada grupo de participantes (atletas, árbitros, representantes de delegações e imprensa), foram divulgados os protocolos de testagem e medidas de precaução que todos devem seguir.

Os participantes deverão apresentar dois testes negativos realizados antes do embarque para o Japão. Os atletas e os membros das delegações serão testados diariamente para minimizar o risco de pessoas assintomáticas. Os testes serão realizados de acordo com a programação de cada modalidade esportiva.

Outros, não atletas, quando chegam ao Japão são testados por três dias consecutivos, e após esse período fazem testes de forma regular, dependendo da função nos Jogos e do nível de contato com os atletas.

Na Vila Olímpica a atenção é redobrada. No espaço construído para receber 17 mil pessoas, só será autorizada a presença de no máximo seis mil ao mesmo tempo.

Apesar de todos estes esforços, os problemas apareceram logo no começo. Casos positivos na Vila Olímpica deixaram os organizadores em alerta. Os atletas com coronavírus estão isolados em seus quartos, além de um membro do COI, também afastado.

O desafio é minimizar ao máximo a chance dos Jogos Olímpicos ficarem marcados por um desastre sanitário. E isso só será possível se os protocolos forem seguidos à risca com testagens diárias, monitoramento dos participantes, limitação dos contatos e isolamento imediato de casos.

*Hélio Magarinos Torres Filho, presidente da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica RJ, diretor-médico do Richet Medicina & Diagnóstico e diretor da áea de Análises Clínicas da Rede D’Or São Luiz

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.