Joesley diz que Mantega ‘intermediava’ propinas ao PT

Joesley diz que Mantega ‘intermediava’ propinas ao PT

Executivo afirmou que ex-ministro da Fazenda dos governos Lula e Dilma era responsável por mediar junto ao BNDES aportes ao Grupo JBS

Da Redação

17 de maio de 2017 | 21h24

Guido Mantega. Foto: Evaristo Sá/AFP

No acordo de delação que firmou com a Procuradoria-Geral da República, o empresário Joesley Batista afirmou que o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega intermediava pagamentos de propina a parlamentares do PT. Segundo o jornal O Globo, executivos da JBS afirmaram em depoimento que o então ministro era uma espécie de operador do grupo no BNDES.

Joesley disse aos procuradores que Luciano Coutinho, então presidente do banco público de fomento, era duro nas negociações, mas que, muitas vezes, Mantega participava das reuniões e os negócios fluíam de forma mais fácil.

O dinheiro de propina que Mantega recebia da empresa, segundo o relato dos delatores, seria destinado ao partido, e não ficava para ele.

Mantega foi alvo da 34.ª fase da Lava Jato, batizada como Arquivo X, em setembro do ano passado, quando chegou a ser preso temporariamente, mas solto no mesmo dia por decisão do juiz Sérgio Moro. Na ocasião, ele foi detido por agentes da PF quando acompanhava a mulher em uma cirurgia no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Na época, a Procuradoria da República, no Paraná, informou que o empresário Eike Batista, ex-presidente do Conselho de Administração da OSX, havia declarado que, em 1 de novembro de 2012, recebera um pedido de um então ministro e presidente do Conselho de Administração da Petrobrás, para que fizesse um pagamento de R$ 5 milhões ao PT.

Palocci. A delação da JBS cita ainda a participação do ex-ministro Antonio Palocci, que também negocia um acordo de colaboração. O ex-ministro, segundo Joesley, foi contratado pelo grupo para prestar consultoria e ajudar a empresa como uma espécie de “professor de política” a executivos. Apesar de não ter interferido nos pleitos da empresa no BNDES, o ex-ministro da Casa Civil de Dilma Rousseff teria pedido doações via caixa 2 para o PT.

O Estado procurou os ex-ministros Mantega e Palocci e Coutinho, mas não conseguiu localizá-los. O espaço está aberto para manifestações.

COM A PALAVRA, JBS

Procurada, a assessoria de imprensa da JBS disse que ‘não tem qualquer informação sobre as notícias publicadas há pouco pelo jornal O Globo‘.

Tendências: