Jararaca faz juiz suspender expediente em fórum na Ilha do Marajó

Jararaca faz juiz suspender expediente em fórum na Ilha do Marajó

Leonel Cavalcanti, da Comarca de Cachoeira do Arari, no Pará, preocupado com possível ataque a jurisdicionados e servidores, interrompeu os trabalhos até que a peçonhenta seja capturada ou se houver certeza de que foi embora

Paulo Roberto Netto

06 de dezembro de 2019 | 19h05

O aparecimento de uma jararaca no prédio da Comarca de Cachoeira do Arari, na Ilha de Marajó (PA), quebrou a rotina do fórum e levou o juiz Leonel Figueiredo Cavalcanti a suspender o expediente até o réptil ser localizado.

Foto: Pixabay

De acordo com o magistrado, a peçonhenta foi avistada por três servidores. Eles registraram vídeo da cobra dentro da unidade.

O despacho foi assinado na quinta-feira, 5. A perigosa continua desaparecida, para inquietação geral.

Cachoeira do Arari, com cerca de 23 mil habitantes, é cortada pelo Rio Pará.

Ao determinar a suspensão das atividades, o meritíssimo afirma que há o risco de a cobra estar abrigada em ‘qualquer lugar, caixas com processos acautelados, lotes de processos, tomadas desencapadas, armários, etc’.

“Locais estes que existe alta probabilidade de haver bichos venenosos escondidos, proporcionando a insegurança dos jurisdicionados e servidores”, relata o magistrado.

A ordem de Cavalcanti inclui a suspensão das atividades até a jararaca ser capturada ou se houver a certeza de que ela foi embora.

Os serviços essenciais do fórum devem continuar em regime de plantão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: