Janot tem ‘obsessiva conduta’ e ‘motivação pessoal’, diz defesa de Temer

Janot tem ‘obsessiva conduta’ e ‘motivação pessoal’, diz defesa de Temer

Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, advogado do presidente, pede ao ministro Edson Fachin suspeição e impedimento do procurador-geral da República

Fausto Macedo, Julia Affonso e Luiz Vassallo

08 Agosto 2017 | 16h48

Michel Temer. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Ao Supremo Tribunal Federal (STF), a defesa do presidente Michel Temer afirmou nesta terça-feira, 8, que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot tem ‘uma obsessiva conduta persecutória’. Por meio de seu advogado, o criminalista Antônio Claudio Mariz de Oliveira, o presidente pediu a suspeição – e impedimento – de Janot, que o denunciou por corrupção passiva no caso JBS.

Documento

“A motivação, tudo indica, é pessoal. Estamos assistindo a uma obsessiva conduta persecutória. O E. Procurador-Geral – em que pese o máximo respeito que devotamos à sua pessoa e à Instituição a que pertence – parece se sentir incumbido de uma missão maior, que extravasaria suas funções protocolares, a autorizar o emprego de medidas não amparadas pelo ordenamento legal”, afirmou a defesa à Corte máxima.

OUTRAS DO BLOG: + Delegado da PF diz que ‘não é competência da Justiça Federal’ investigar e-mail à filha de Bendine

Pedro Corrêa relata ligação de Lula a diretor da Petrobrás por propinas ao PP

CGU e PF investigam desvios de R$ 177 mi na saúde de Alagoas

Cabral pegou propina de R$ 144 mi do setor de transportes, acusa Procuradoria

A estratégia de Temer, ao pedir a suspeição de Janot, e se antecipar a uma possível nova denúncia do procurador.

A primeira acusação formal de Janot foi recusada pela Câmara dos Deputados em 2 de agosto por 263 votos a 227. A autorização para eventual processo no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o peemedebista precisava do aval de 2/3 dos deputados, ou 342 de 513.

A denúncia do procurador-geral da República tinha base na delação dos acionistas e executivos do Grupo J&F, que controla a JBS. O ex-assessor especial do presidente e ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) também é acusado formalmente.

O procurador afirma que o ex-deputado era ‘pessoa de mais estrita confiança’ de Temer ‘para tratar dos interesses escusos de Joesley Batista junto ao Governo Federal’.

Segundo a acusação formal da Procuradoria-Geral da República, entre os meses de março e abril de 2017, em Brasília e em São Paulo, Temer recebeu, por intermédio de Rocha Loures, vantagem indevida de cerca R$ 500 mil. O dinheiro teria sido ofertado por Joesley Batista.

No pedido de suspeição, a defesa de Temer citou uma fala de Janot em 1.º de julho, no 12.º Congresso da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. Na ocasião, o procurador, afirmou que ‘enquanto houver bambu, lá vai flecha’ e que até o dia 17 de setembro –data em que termina o mandato de Janot – a ‘caneta’ é dele.

“Flechará, pois tem a caneta, se os alvos forem reais ou meramente fruto de sua imaginação, portanto quixotescos, pouco importa. Importa atirar”, afirmou Mariz.

“Portanto, provar é de somenos, o importante é flechar. Parece pouco interessar ao Procurador se o alvo a ser atingido, além da pessoa física de Michel Temer, é a instituição Presidência da República; as instituições republicanas; a sociedade brasileira ou a Nação. O fundamental é dar continuidade à sua sanha de arqueiro contumaz.”

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoMichel Temer