Janot quer delegado da PF exclusivo e de sua confiança no inquérito Temer

Janot quer delegado da PF exclusivo e de sua confiança no inquérito Temer

Procurador alega 'sensibilidade' do caso e pede a Fachin que apenas Joselio Azevedo de Sousa, um especialista em investigações sobre desvios de recursos públicos, tenha acesso aos autos

Julia Affonso, Fausto Macedo, Fabio Fabrini, Fabio Serapião e Beatriz Bulla

20 de maio de 2017 | 12h41

Michel Temer. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, solicitou ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que apenas o delegado Josélio Azevedo de Sousa tenha acesso ao inquérito aberto para investigar o presidente Michel Temer, o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) e o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR). Janot alegou ‘sensibilidade’ do caso para pedir um delegado exclusivo para a investigação.

O que levou Janot a requerer um policial de sua confiança para investigar Temer é o risco de vazamento de informações e de eventual influência política no inquérito. Na petição a Fachin, o procurador destacou que Aécio, ‘em articulação, dentre outros, com o presidente Michel Temer, tem buscado impedir que as investigações da Lava Jato avancem, seja por meio de medidas legislativas, seja por meio do controle de indicação de delegados de polícia que conduzirão os inquéritos’.

Josélio é um especialista em investigações sobre desvios de recursos públicos. Entre seus pares, ele é respeitado pelo rigor com que conduz inquéritos sobre corrupção.

O delegado tem uma visão crítica das relações entre empresas e doações eleitorais. “No Brasil a realidade é: o doador de campanha está pensando nas benesses que pode obter por intermédio daquela pessoa que está assumindo um cargo público”, alertou o delegado em uma reunião da Enccla (Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro).

OUÇA JOSÉLIO, QUE VAI INVESTIGAR TEMER, NO V CONGRESSO DOS DELEGADOS DE POLÍCIA FEDERAL

Josélio preside o inquérito-mãe da Lava Jato no Supremo. Ele mira políticos que integrariam organização criminosa instalada na Petrobrás entre 2004 e 2014.

No pedido a Fachin, o procurador argumentou. “Em razão da sensibilidade do presente feito, requer seja determinada a restrição de acesso ao presente inquérito ao Delegado de Polícia Federal Joselio Azevedo de Sousa, que coordena as investigações relacionadas à Lava Jato que tramitam no Supremo Tribunal Federal, bem como aos policiais por ele indicados, sendo vedado o compartilhamento de qualquer informação relacionada à presente investigação a outras pessoas, ainda que se tratem de superiores hierárquicos.”

Inquérito. Temer será investigado por três crimes: corrupção passiva, obstrução à investigação de organização criminosa e participação em organização criminosa. A investigação havia sido autorizada pelo ministro Fachin no dia 2 de maio mas estava sob sigilo até esta quinta-feira, 18. Só ganhou publicidade após a Polícia Federal realizar busca e apreensão em diversos locais para trazer mais elementos à investigação contra Temer, Aécio e Rocha Loures na quinta-feira.

O presidente foi citado na delação premiada por executivos da J&F (holding que inclui a JBS) de ser beneficiário de cerca de R$ 20 milhões em propinas. No inquérito, Janot afirma que Temer deu aval ao pagamento de propina ao ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), atualmente preso pela Lava Jato, em conversa gravada com Joesley Batista. Na noite de 7 de março, o principal líder da JBS capturou diálogo com o presidente. A defesa de Temer afirma que há adulterações e montagens no áudio.

Joesley disse aos procuradores que sempre recebeu ‘sinais claros’ do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) e de Temer de que era necessário fazer pagamentos ao deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e ao corretor Lúcio Funaro, também preso, para que estes ficassem ‘calmos’ e não fizessem delação premiada.

O diretor de Relações Institucionais e de Governo da JBS Ricardo Saud apontou repasses de mais de R$ 15 milhões cuja distribuição foi definida por Temer em 2014. Deste valor, R$ 1 milhão foi encaminhado ao amigo pessoal do presidente, o empresário e coronel da PM aposentado João Baptista Lima Filho.

Saud também falou sobre pagamentos de propina para Cunha e Funaro. “O dinheiro do Eduardo Cunha tinha terminado e o Michel Temer sempre pedia para manter eles lá. O código era ‘tá dando alpiste pros passarinhos? Passarinhos estão tranquilos na gaiola?”, disse o delator. Ele afirmou que, nessa conversa, Joesley avisou que estava ‘acabando o alpiste’ e Temer teria dito que ‘é muito importante’ manter.

Sobre os pagamentos ao presidente, o empresário disse que, em 2010, Temer solicitou R$ 3 milhões. Destes, R$ 1 milhão foi repassado por meio de doação oficial e R$ 2 milhões foram para a empresa Pública Comunicação, do marqueteiro do peemedebista Elsinho Mouco. No mesmo ano, entre agosto e setembro, Temer solicitou e Joesley repassou R$ 240 mil em propina à empresa Ilha Produções.

Sobre os pagamentos ao presidente, o empresário disse que em 2010 o peemedebista solicitou R$ 3 milhões. Destes, R$ 1 milhão foi repassado por meio de doação oficial e R$ 2 milhões foram para a empresa Pública Comunicação, do marqueteiro do peemedebista Elsinho Mouco. No mesmo ano, entre agosto e setembro, Temer solicitou e Joesley repassou R$ 240 mil em propina à empresa Ilha Produções.

Em 2012, Temer voltou a solicitar mais valores, segundo o delator. Dessa vez, o então vice-presidente pediu o repasse de R$ 3 milhões para a campanha de Gabriel Chalita à Prefeitura.

Já em 2016, em meio ao impeachment de Dilma Rousseff, Joesley relatou que Temer o procurou novamente para uma reunião em sua casa na região dos Jardins, em São Paulo. Nesse encontro, narrou o delator, o presidente pediu propina no valor de R$ 300 mil para pagar despesa com marketing na internet.

Saud detalhou uma negociação de R$ 15 milhões com Temer, em pagamentos destinados a aliados e a um amigo pessoal do presidente. Ele disse que em 2014 acertou com o ex-ministro Guido Mantega pagamento a senadores do PMDB. Eram “propinas dissimuladas” aos “curingas” da sigla no Senado, para abafar uma rebelião interna que poderia prejudicar a campanha da presidente Dilma e a candidatura de Temer como vice.

O delator disse que Temer, ao saber do acordo feito sem sua autorização, ficou “indignado” e acabou recebendo outros R$ 15 milhões. O diretor disse que o então vice-presidente afirmou que “reassumiria o PMDB”. Em julho de 2014, Temer reassumiu a presidência do partido, após licença. O dinheiro, segundo Saud, saiu de um montante de R$ 300 milhões destinados para o PT – que autorizou o repasse.

COM A PALAVRA, MICHEL TEMER

Em nota, Michel Temer disse que “não recebeu valores, a não ser os permitidos pela Lei Eleitoral e declarados ao TSE”. “Portanto, não tem envolvimento em nenhum tipo de crime.” Ainda em nota, Temer afirmou que “nada fez pelo ex-deputado Eduardo Cunha”. “Isso prova que o presidente não obstruiu a Justiça”, disse a Secretaria de Comunicação Social da Presidência.

COM A PALAVRA, ELSINHO MOUCO

Elsinho Mouco disse que não foi responsável pelo marketing político da campanha de Gabriel Chalita.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoMichel Temer

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.