Janot pede arquivamento de investigação contra ex-prefeito de Salvador delatado pela Odebrecht

Janot pede arquivamento de investigação contra ex-prefeito de Salvador delatado pela Odebrecht

O procurador-geral da República reconheceu prescrição, alegada pelo próprio Edvaldo Brito, o "Candomblé" na planilha da Odebrecht, que teria recebido R$ 200 mil não contabilizados na campanha ao Senado em 2010

Breno Pires e Rafael Moraes Moura, de Brasília

18 de julho de 2017 | 21h45

Sede da Odebrecht em São Paulo. Foto: JF Diorio/Estadão

BRASÍLIA – O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para retirar o ex-prefeito de Salvador Edvaldo Brito da lista de investigados de um dos inquéritos abertos na Corte com base na delação da Odebrecht.

O motivo do arquivamento da investigação em relação ao ex-prefeito de Salvador é a constatação, tardia, da prescrição da pena que poderia ser aplicada caso fosse condenado pelo suposto crime de falsidade ideológica eleitoral, por não ter registrado em sua campanha R$ 200 mil que delatores da Odebrecht alegam terem sido repassados à sua campanha ao Senado em 2010. O nome de Edvaldo Brito na planilha da Odebrecht era “Candomblé”.

Janot solicitou, no entanto, a continuidade da parte da investigação que é contra o filho de Edvaldo, o deputado federal Antonio Brito (PSD-BA). O procurador-geral requereu também o sorteio de um novo relator para o caso. Antonio Brito teria recebido R$ 100 mil não contabilizados do Grupo Odebrecht nas eleições para a Câmara dos Deputados em 2010, na qual veio a ser eleito.

Em acordo de colaboração premiada, Cláudio Melo Filho e José de Carvalho Filho, ex-executivos do grupo, afirmaram que estes pagamentos foram realizados por meio do Setor de Operações Estruturadas, sendo feito registro no sistema interno da Odebrecht, chamado “Drousys”.

“Falácia”. Foi o próprio Edvaldo Brito que alertou para a prescrição. O ex-prefeito de Salvador argumentou que, como a pena máxima para o crime é de 5 anos, o prazo para o crime prescrever (deixar de poder se punido) seria de 12 anos, mas esse período cai pela metade devido ao fato de que o investigado tem mais de 70 anos de idade. Como os fatos são do ano de 2010, já se passaram mais de 6 anos, configurando a prescrição.

“O Suplicante aproxima-se dos 80 anos de idade a completarem em 3 de outubro de 2017 e não deseja ver-se enxovalhado por falácia que atinge a si e a seu filho”, havia argumentado Edvaldo Brito na manifestação que enviou, em causa própria, ao Supremo, assinada no dia 28 de abril.

Dois meses e meio depois, veio a resposta de Janot, dizendo que o investigado tem razão. “O prazo de prescrição aplicável à espécie é de 6 anos, lapso temporal já decorrido desde a data dos fatos, que se deram no ano de 2010”, disse Janot. O documento foi assinado no dia 12 de julho, mas chegou ao gabinete do relator Edson Fachin apenas nesta terça-feira, 18.

Além de pedir o arquivamento em relação ao pai, Janot afirmou que não há conexão entre o caso em que o filho é investigado e os demais que fazem parte da Operação Lava Jato. Então, pediu a redistribuição do inquérito, por meio de sorteio livre, para a definição de novo relator.

O procurador-geral também pediu a prorrogação do prazo para conclusão da investigação, o que já havia sido solicitado pela Polícia Federal. Ele apontou que algumas diligências (atividades específicas de investigação) determinadas ainda não foram cumpridas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.