Janaína em campanha

Janaína em campanha

Leia a carta da deputada de 2 milhões de votos a seus colegas, inclusive do PT, na corrida à Assembleia Legislativa de São Paulo

Julia Affonso

12 Fevereiro 2019 | 17h53

A deputada estadual Janaína Paschoal (PSL). Foto: André Dusek/ Estadão

Na carta em que pede votos à sua candidatura à presidência da Assembleia Legislativa de São Paulo, a deputada estadual eleita com dois milhões de votos – recorde na história dos Legislativos estaduais – Janaína Paschoal (PSL-SP) afirma que ao Poder Legislativo ‘não pode ser relegado o papel de simplesmente chancelar as decisões do Executivo’.

Em campanha, Janaína tenta unir deputados de diferentes partidos em torno de sua candidatura ao topo do Palácio Nove de Julho.

A deputada Beth Sahão (PT-SP) foi uma das parlamentares que recebeu a carta. O PT é constantemente alvo de críticas de políticos filiados ao PSL. Janaína foi uma das autoras do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Na carta, Janaína afirma que embora tenha sido eleita para o primeiro mandato, suas ideias ‘são bem conhecidas por todos’.

“Sei que em torno de tais ideias há muita divergência. Mas uma característica, em especial, me habilita para o elevado cargo almejado: a capacidade de bem conviver com as diferenças.”

Com habilidade, ela emenda. “Independentemente de seu partido, se eu for eleita, sua experiência política e de vida será sempre considerada.”

LEIA A ÍNTEGRA DA CARTA DE JANAÍNA POR VOTOS

Cara Sra. Deputada Bete Sahão,

Primeiramente, gostaria de parabenizá-la pela eleição.

Em 15 de março, todos tomaremos posse e, ato contínuo, ocorrerá a eleição para a Presidência da Assembleia Legislativa de nosso Estado, seguida da escolha dos demais cargos da Mesa.

Pois bem, apresento-me como candidata a Presidente da Assembleia e peço o seu voto.

Desde logo, assumo o compromisso de trabalhar e lutar para que sejam respeitadas as ideias e a voz de cada um dos Parlamentares.

Entendo, firmemente, que as decisões não podem ficar circunscritas ao Colégio de Líderes, devendo haver maior participação dos demais Parlamentares. A população tem direito a acompanhar os debates, que devem ocorrer em Plenário. Quero abrir esta Casa!

Entendo, ainda, que o Poder Executivo não pode seguir diminuindo o Poder Legislativo, vetando projetos importantes, sob um argumento genérico e infundado de inconstitucionalidade, sem que lhe sejam cobradas maiores explicações.

Por óbvio, o Poder Executivo têm prerrogativas, que devem ser respeitadas. Não obstante, ao Poder Legislativo, maior representante dos anseios do povo, não pode ser relegado o papel de simplesmente chancelar as decisões do Executivo.

Muito embora tenha sido eleita para meu primeiro mandato, minhas ideias são bem conhecidas por todos. Sei que em torno de tais ideias há muita divergência. Mas uma característica, em especial, me habilita para o elevado cargo almejado: a capacidade de bem conviver com as diferenças.

Independentemente de seu partido, se eu for eleita, sua experiência política e de vida será sempre considerada.

Com Janaina na Presidência da Assembleia Legislativa de São Paulo, todos os Deputados Estaduais terão mais trabalho, mas também terão o sentimento de que nossos mandatos são fundamentais para São Paulo e para o Brasil. Somos 94!

Fevereiro de 2019,
Janaina Conceição Paschoal