‘Jamais existiu essa conversa’, afirma Edinho sobre delação de Mônica

‘Jamais existiu essa conversa’, afirma Edinho sobre delação de Mônica

Ex-tesoureiro da campanha de reeleição de Dilma em 2014 rechaçou versão da marqueteira delatora, segundo a qual o atual prefeito de Araraquara (SP) pelo PT pediu R$ 400 mil para pagar criador do 'Dilma Bolada'

Vera Rosa, de Brasília

15 de maio de 2017 | 20h35

Edinho Silva. Foto: JF Diorio/Estadão

O ex-tesoureiro da campanha à reeleição de Dilma Rousseff, Edinho Silva, disse nesta segunda-feira, 15, nunca ter pedido à empresária Mônica Moura qualquer pagamento para o criador da página de “Dilma Bolada” na internet.

“Jamais existiu essa conversa a que Mônica se refere”, declarou Edinho. “As pessoas, quando fazem delação, precisam provar o que dizem.”

Em recente delação premiada ao Ministério Público, a empresária afirmou que Edinho – hoje prefeito de Araraquara pelo PT – pediu a ela R$ 400 mil para pagar o publicitário Jefferson Monteiro, após a saída de “Dilma Bolada” do ar.

De acordo com Mônica – mulher de João Santana, marqueteiro daquela campanha -, o acerto para Monteiro ressuscitar “Dilma Bolada” acabou ficando por R$ 200 mil porque Edinho disse que arrumaria o restante com outra pessoa. A empresária contou que achou o valor pedido anteriormente muito alto.

No depoimento ao Ministério Público, Mônica também assegurou que, ao fazer o pedido, Edinho argumentou que a então presidente teria ficado furiosa após Monteiro tirar “Dilma Bolada” das redes sociais. No comitê de campanha, a avaliação era a de que a personagem melhorava a imagem de Dilma.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: