Isa Penna cobra delegado que não prendeu em flagrante procurador de Registro: ‘E você se chama de servidor público?’

Isa Penna cobra delegado que não prendeu em flagrante procurador de Registro: ‘E você se chama de servidor público?’

Pepita Ortega e Fausto Macedo

23 de junho de 2022 | 14h45

Foto: Reprodução

A deputada estadual Isa Penna (PcdoB) foi até Registro, no Vale do Ribeira, ‘cobrar providências’ sobre o caso do espancamento da procuradora-geral da cidade, Gabriela Samadello Monteiro de Barros, dentro da prefeitura, pelo procurador municipal Demétrius Oliveira de Macedo. Isa Penna foi à Delegacia confrontar o delegado antes de a Polícia Civil prender Demétrius, o que ocorreu na manhã desta quinta-feira, 23. Vídeo registrou a parlamentar questionando o fato de delegado Fernando Carvalho Gregório, do 1º Distrito Policial de Registro, não ter prendido em flagrante o procurador municipal.

“Você tá me dizendo que você olhou pra cara daquela mulher que está com o olho roxo, que nunca vai esquecer isso na vida dela, e você mandou ela pra casa e liberou o agressor dela. É isso que você está me dizendo? Sem pedir uma medida protetiva que fosse. E você se chama de servidor público? Você acredita que você está servindo a quem aqui?”, afirma a deputada na gravação.

O Sindicato dos Delegados de Policia do Estado de São Paulo reagiu à cobrança de Isa Penna, alegando que a deputada de maneira ‘desrespeitosa e acintosa’ questionou decisão tomada pelo delegado que registrou boletim de ocorrência sobre o caso.

“O meio utilizado pela parlamentar para se insurgir contra as providências de Polícia Judiciária tomadas acerca dos fatos é inadmissível, totalmente inadequado e ultrapassou os limites da imunidade e prerrogativa do seu mandato”, diz a nota subscrita pelo delegado José Vicente de A. Pires Barreto Fonseca, em exercício na presidência.

A entidade vê desrespeito e ‘exploração midiática’ da imagem do delegado, alegando ‘danos irreparáveis à honra e dignidade do policial civil’. Segundo o Sindicato, o delegado ‘no exercício da sua liberdade de convicção, desempenha com dignidade as suas funções e presta relevantes serviços à Polícia Civil’.

Em suas redes sociais, Isa Penna registrou que estava participando de um ato popular que ‘pedia justiça’ para Gabriela Samadello Monteiro de Barros. A procuradora-geral de Registro foi agredida com socos e pontapés na segunda-feira, 20. Em vídeo que viralizou nas redes sociais, Demetrius ainda a chama de “vagabunda” e “puta”.

O procurador foi suspenso e preso na manhã desta quinta-feira, 22. O mandado foi expedido por ordem do juiz Raphael Ernane Neves, da 1ª Vara da Comarca de Registro, que atendeu a um pedido do delegado Daniel Vaz Rocha, do 1º Distrito Policial da cidade.

Ao representar contra o procurador do município, Rocha sustentou que Demetrius ‘vem tendo sérios problemas de relacionamento com mulheres no ambiente de trabalho, sendo que, em liberdade, expõe a perigo a vida delas, e consequentemente, a ordem pública’.

Demetrius foi localizado preso em uma clínica médica em Itapecerica da Serra, na região metropolitana de São Paulo. O procurador está sendo levado para o  E está sendo levado para o Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa, onde será ouvido, e me seguida vai passar pelo Instituto Médico Legal. Após os trâmites, Demétrius será levado para Registro, cidade localizada a 190 quilômetros de São Paulo.

COM A PALAVRA, O SINDICATO DOS DELEGADOS DE POLÍCIA DO ESTADO DE SÃO PAULO

O SINDPESP, instituição que prevê entre as suas atribuições o dever de velar pela dignidade dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo, defendendo os interesses, direitos, prestígio e prerrogativas dos seus integrantes, vem a público, por intermédio de sua Diretoria, para o fim de repudiar veementemente a conduta da Deputada Estadual Isa Penna, que, de maneira desrespeitosa e acintosa, questionou a decisão tomada pela Autoridade Policial, durante o registro da ocorrência da agressão sofrida pela procuradora-geral do município de Registro, Gabriela Samadello Monteiro de Barros.

O SINDPESP deixa claro que atos de violência dessa natureza praticados contra mulher são intoleráveis e precisam ser apurados e punidos com o rigor da lei.

Entretanto, o meio utilizado pela parlamentar para se insurgir contra as providências de Polícia Judiciária tomadas acerca dos fatos é inadmissível, totalmente inadequado e ultrapassou os limites da imunidade e prerrogativa do seu mandato.

É importante salientar que as ofensas proferidas pela Deputada Isa Penna atingiram a todas as Autoridades Policiais.

Desta forma, o SINDPEP vem hipotecar solidariedade ao colega pelo desrespeito sofrido, pela exploração midiática da sua imagem e pelo seu julgamento antecipado, sem proporcionar o sagrado direito de defesa.

O SINDPESP se insurge contra essa verdadeira execração pública, pois tais fatos causam danos irreparáveis à honra e dignidade do policial civil, que no exercício da sua liberdade de convicção, desempenha com dignidade as suas funções e presta relevantes serviços à Polícia Civil e população do Estado de São Paulo.

COM A PALAVRA, ISA PENNA

“Daqui por diante será assim. Agressores e assediadores podem me esperar em suas casas ou escritórios, com essa mesma postura: indignada, ativa e sem perdão. Vou expor um por um e oriento as mulheres a fazerem o mesmo. Hoje ele foi preso porque eu e outras tantas reagimos, assim continuaremos fazendo custe o que custar.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.