PF descobre invasão de babás eletrônicas e câmeras residenciais em 35 cidades do País

PF descobre invasão de babás eletrônicas e câmeras residenciais em 35 cidades do País

Aproveitando que famílias estão em casa, criminosos usam a deepweb para acessar imagens internas das residências

Patrik Camporez / BRASÍLIA

07 de abril de 2020 | 13h57

Foto: Pixabay

Uma investigação sigilosa da Polícia Federal identificou que, aproveitando o período de isolamento social decorrente da pandemia do coronavírus, criminosos estão invadindo dispositivos eletrônicos residenciais em diversas regiões do País. Os investigadores da Unidade de Repressão a Crimes de Ódio e Pornografia Infantil da PF já identificaram a invasão de 141 equipamentos na residência de famílias que vivem em 35 municípios do País.

Aproveitando que famílias estão em casa por conta do vírus, criminosos usam a deepweb (uma espécie de internet paralela) para acessar imagens internas das residências.

Segundo as investigações, os criminosos conseguem ter acesso, em tempo real, às filmagens das ‘babás eletrônicas’ e dispositivos chamados de ‘câmeras IP’, como aquelas de segurança residencial.

A partir do momento em que conseguem êxito nas invasões, eles passam a ter acesso à rotina diária da família e, dessa forma, conseguem praticar outros crimes, como extorsão.

A investigação ainda está em curso e a PF desconfia que um número muito maior de cidades e famílias podem ter sido alvos. Para chegar aos invasores, os investigadores têm atuado em colaboração internacional com outras agências de segurança.

Por meio de sua assessoria, a corporação informou que investigações sobre autores, modus operandi e a possibilidade de existirem outras invasões seguem em andamento. “Por essa razão, a PF não comentará detalhes sobre a investigação. O objetivo neste momento é o de fazer um alerta à população”, diz.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: