‘Intolerável transigir com princípios fundamentais que repudiam práticas desonestas de poder’

‘Intolerável transigir com princípios fundamentais que repudiam práticas desonestas de poder’

Leia a íntegra do pronunciamento do decano do Supremo Tribunal Federal na abertura do Ano Judiciário

Beatriz Bulla, Breno Pires e Rafael Moura, de Brasília

01 de fevereiro de 2017 | 18h16

O decano do STF, ministro Celso de Mello. Foto: André Dusek/Estadão

O decano do STF, ministro Celso de Mello. Foto: André Dusek/Estadão

Na abertura do Ano Judiciário de 2017, o ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal, fez uma homenagem a Teori Zavascki – morto em acidente aéreo no dia 19 de janeiro – e declarou. “O Judiciário não pode perder a gravíssima condição de fiel depositário da permanente confiança do povo brasileiro, que deseja preservar o sentido democrático de suas instituições e, mais do que nunca, deseja ver respeitada, em plenitude, por todos os agentes e Poderes do Estado, a autoridade suprema de nossa Carta Política e a integridade dos valores que ela consagra na imperatividade de seus comandos, sob pena de a instituição judiciária deslegitimar-se aos olhos dos cidadãos da República”.

Tudo o que sabemos sobre:

Celso de MelloSTFoperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.