Instabilidade nas restrições da quarentena prejudica gestão de restaurantes e bares

Instabilidade nas restrições da quarentena prejudica gestão de restaurantes e bares

Marlon Ceni*

03 de março de 2021 | 07h15

Marlon Ceni. FOTO: DIVULGAÇÃO

Há pouco mais de um ano, quem lidera um negócio no Brasil, tem que lidar com a corda-bamba das restrições dos planos estaduais de contenção do coronavírus. Na ponta das restrições, os setores de entretenimento, bares e restaurantes continuam somando prejuízos. O fato é que a instabilidade nos planos está fechando negócios, principalmente pequenas e médias empresas. As ações de contenção colocam uma cidade inteira em fase amarela e na próxima semana em fase vermelha. Este cenário torna impossível manter um planejamento logístico que minimize os prejuízos para os empreendedores.

Claro que não é possível prever a variação do uso dos leitos de UTI e sabemos que houve um aumento nacional de número de casos, mas, é possível firmar uma política de prevenção e estabilidade em que o empreendedor não fique sempre na expectativa de fechar o estabelecimento. Além disso, não há correlação direta entre o funcionamento dos restaurantes, bares e similares e o aumento do número de casos, tanto é que após 6 de agosto de 2020, quando o setor reabriu suas portas, não houve uma curva de crescimento e sim de queda nas internações estaduais e municipais.

Alguns grupos do setor tem se reunido e protestado contra os abusos e falta de gestão, depois de muita pesquisa e estudo, eis algumas resoluções que, na minha opinião, podem diminuir o impacto na economia local:

– Manter fase amarela para estabelecimentos que respeitam as regras sanitárias (que são muitas).

– Ampliação do horário de funcionamento dos restaurantes/bares/etc, para que dilua o movimento ao longo do dia, na qual os estabelecimentos estejam fechados das 23 às 06 hrs (levando o público para locais com protocolos e não a locais fechados e sem protocolos).

– Abertura do uso de calçadas (ajuda a evitar aglomerações e são locais abertos e ventilados).

– Programas de renegociação de dívidas em impostos em janeiro de 2022, com  condições atrativas e retirada de protestos do mesmo até jan 22.

– Redução do ICMS de insumos básicos e misturas.

– Flexibilização das multas de atrasos nos aluguéis.

– Acordos trabalhistas direto com empregados e protocolados em sindicatos.

– Desoneração da folha salarial, de forma a viabilizar a manutenção de empregos.

– Fiscalização efetiva das aglomerações irregulares com punições rigorosas.

Não acredito que os governantes estão passando por um período fácil, mas é nosso papel, enquanto cidadãos e empresários comprometidos com seus funcionários, exigir políticas mais justas para aqueles que estão seguindo todos os protocolos de segurança sanitária.

*Marlon Ceni é empreendedor e cofundador da Five Capital

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.