Infraestrutura própria de pagamentos: um auxílio no crescimento do seu negócio

Infraestrutura própria de pagamentos: um auxílio no crescimento do seu negócio

Davi Holanda*

14 de janeiro de 2021 | 03h30

Davi Holanda. FOTO: DIVULGAÇÃO

Engana-se quem pensa que apenas um ou outro setor pode se beneficiar pelo uso de uma infraestrutura própria de pagamentos ou que é algo complicado de gerenciar e competir, afinal, grandes players já estão no mercado. Nada disso é verdade, já que a solução de banking as a service (BaaS) é bastante democrática, servindo para qualquer empresa que lide com transações de compra e venda.

Pensando em termos de usabilidade e de atendimento ao consumidor, a infraestrutura própria de pagamentos pode ser um diferencial no momento em que as empresas decidem inovar, lançar produtos e proporcionar experiências diferenciadas aos seus clientes. Isso porque esse tipo de solução oferece mais flexibilidade e oportunidade de o negócio estabelecer suas regras e condições para pagamentos, sem depender das políticas de terceiros.

Além dessas vantagens relacionadas à melhoria do atendimento ao consumidor final, quando essa estrutura de pagamentos entra em funcionamento, a empresa passa a operar com serviços próprios de boleto, TED e PIX, aumentando a eficiência interna das operações.

Existe também a possibilidade de criar uma nova fonte de receita ao oferecer produtos como conta digital completa e intermediação de pagamento para outras empresas.

Para desfrutar dessa flexibilidade, entretanto, é preciso estar atento a algumas questões. A primeira e mais importante, claro, é a segurança oferecida pelo provedor da infraestrutura, seus registros e a licença de instituição de pagamentos, cases de sucesso reconhecidos no mercado, bem como políticas antifraude e relativas à segurança dos dados tanto da empresa quanto dos usuários.

Outra boa prática para quem quer conhecer os serviços antes de disponibilizá-los publicamente, é usar todos os recursos primeiro no ambiente sandbox, ou seja, na ferramenta disponibilizada para testes pela plataforma. Tudo isso gerará mais confiança e a certeza de que o fornecedor faz um trabalho sério.

Por fim, um bom serviço de infraestrutura própria de pagamentos precisa ser desenvolvido em nuvem, com APIs criadas para uma integração modular e facilitada de cada serviço oferecido, seguindo as boas práticas regulatórias criadas pelo Banco Central. É importante observar também o tipo de suporte oferecido e a disponibilidade de atendimento.

As plataformas próprias de meios de pagamento seguem a tendência da customização dos serviços bancários por intermédio da tecnologia e estão conquistando cada vez mais espaço no cenário financeiro. Cabe, portanto, a cada empresa tomar a iniciativa de participar dessa inovação, que promete trazer ainda muitos bons frutos a quem investe nela.

*Davi Holanda é CEO da Acesso Soluções de Pagamentos

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.