Influencer denuncia nas redes ter sido vítima de racismo em padaria de Ipanema

Influencer denuncia nas redes ter sido vítima de racismo em padaria de Ipanema

Sarah Fonseca publicou vídeo relatando que um funcionário da panificadora da zona Sul do Rio mandou que se afastasse do local porque achou que ela estava 'pedindo dinheiro e perturbando' seu próprio namorado e sogros que ocupavam uma mesa

Jayanne Rodrigues

07 de março de 2022 | 18h59

Atualização às 20h54 para acréscimo de relato enviado pela assessoria da influencer

A produtora de conteúdo, Sarah Fonseca, publicou um vídeo nas redes sociais nesta segunda-feira, 7, afirmando ter sido vítima de racismo na padaria Baked, em Ipanema, no Rio de Janeiro. Na filmagem, a jovem está em frente ao estabelecimento e aponta para o funcionário que, segundo ela, a ordenou que fosse embora pois acreditava que ela estava “pedindo dinheiro ou perturbando” o namorado e os sogros que encontravam-se sentados em uma mesa da padaria. Em nota, a panificadora alegou que o acusado não é funcionário contratado, “e sim um prestador de serviços para a rua” e acrescentou que a conduta do homem não representa o estabelecimento.

No vídeo, a produtora dispara: “Acabei de sofrer racismo por esse cara aqui”. Sarah começa a chorar e gritar “vergonha, vergonha”. Em seguida, ela mostra qual é o lugar em que está e questiona “tem noção do que é isso?”. É possível escutar ao fundo o funcionário negando as acusações. “Não fiz isso não”. A jovem reage à resposta do homem reiterando que ele havia mandado ela sair do local. “Eu não sou maluca”, diz. 

Enquanto ela discutia com o suspeito, as pessoas circulavam normalmente pela calçada. Nas redes, ela escreveu que estava em choque e se sentindo humilhada. “Eu não consigo descrever a raiva que eu estou”. A influencer explicou que foi abordada pelo acusado quando chegou na mesa em que o namorado e os sogros estavam para pegar a chave do apartamento que havia esquecido. Ela tentou se comunicar com a família do namorado em inglês, já que todos são da Alemanha. No entanto, conforme Sarah,  ela só conseguiu “dizer uma frase ou mal completar”, detalhou em nota enviada ao Estadão pela assessoria. Ela contou que, de imediato, o homem surgiu exigindo que ela se retirasse.

Sarah gravou um vídeo da situação e divulgou nas redes sociais. Foto: Reprodução/ Instagram

“Depois que eu me exaltei e gritei com ele, ele começou a dizer que eu estava enganada. Normal, né? Nunca é injúria racial”, escreveu. Sarah comunicou que estava em contato com a advogada para registrar um boletim de ocorrência. Com mais de 600 mil seguidores, internautas comentaram no post da produtora. Sobre a situação disseram que é “inaceitável, tem que expor mesmo” e outra seguidora lamentou “tá doendo em mim”.  

A empresa lamentou o ocorrido e afirmou “repudiar qualquer discriminação”. Para Sarah, o comportamento do acusado é reflexo da política adotada pela padaria. “Ele estava lá para me retirar, por ordem do estabelecimento”, disse a influencer.

Confira a nota publicada nas redes sociais da panificadora:

COM A PALAVRA, I BAKED PADARIA

“A Equipe Baked ficou ciente nas últimas horas que um episódio de discriminação ocorreu hoje em nossa loja, envolvendo prestador de serviços do bairro e uma de nossas clientes.

Acreditamos que essa situação é extremamente grave, e estamos completamente indignados. Gostaríamos de esclarecer que o segurança em questão não é funcionário contratado da Baked, e sim um prestador de serviços para a rua, e de maneira nenhuma ele nos representa. Já entramos em contato com a associação de lojistas informando o ocorrido, para que sejam tomadas as medidas necessárias o quanto antes!

Acima de tudo gostaríamos de prestar todo o nosso apoio a Sarah, e já entramos em contato com a mesma para que possamos a auxiliar em quaisquer medidas que sejam necessárias. Temos vídeos, testemunhas e funcionários à disposição para o que ela precisar.

Lamentamos muito que um ato como esse possa ter acontecido, principalmente em nossa loja, e reiteramos que tal postura é totalmente contrária aos valores da empresa. A Baked repudia toda e qualquer discriminação!”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.