Indignação, reage diretor afastado do consórcio SOMA

Indignação, reage diretor afastado do consórcio SOMA

André Meira, executivo da área de coleta e limpeza urbana, afirmou que comunicado interno da Estre 'causa constrangimentos e atinge idoneidade'

Julia Affonso

12 Março 2018 | 13h53

Comunicado interno da Estre. Foto: Reprodução

O diretor da área de coleta e limpeza urbana, André Meira, um dos dirigentes afastados pela empresa Estre Ambiental, reagiu com indignação à decisão da companhia. A Estre controla a empresa CAVO, líder do consórcio SOMA, prestador de serviços de limpeza contratado pela Prefeitura de São Paulo, e alvo da Operação Descarte, da Polícia Federal e da Receita, deflagrada em 1.º de fevereiro.

“Com indignação e surpresa tomei conhecimento da nota que noticia publicamente o meu afastamento e de outro funcionário, o que me causa constrangimentos e atinge a minha idoneidade”, afirmou André Meira.

“Infelizmente uma nota vem a macular a minha honra.”

PF busca agentes públicos no lixo em SP

Documento

O afastamento de Meira e também do gerente financeiro do consórcio SOMA Tercio Correia foi informado em comunicado interno da Estre. A empresa ainda suspendeu ‘qualquer comunicação ou interação de sets executivos e profissionais com o sr. Wilson Quintella Filho’ – citado na delação premiada do ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa.

Diretor de Inteligência da Argentina recebeu US$ 850 mil em propinas, diz PF

Receita vê prejuízo de ‘centenas de milhões’ causado por alvos da Descarte

A Operação Descarte apura um esquema de lavagem de dinheiro por meio de empresas de fachada. Policiais federais e auditores fiscais da Receita identificaram que o consórcio SOMA teria usado botas, sapatenis, bonés, uniformes, tintas, sacos de lixo e detergentes para lavar R$ 200 milhões usando notas frias.

Quintella Filho era o diretor-presidente da Estre Ambiental, responsável pela administração da empresa, segundo a Operação Descarte.

Segundo a Estre, Quintella Filho deixou o Conselho de Administração em dezembro do ano passado.

Em nota, André Meira afirmou que exerceu a função de Diretor de Coleta e Limpeza Urbana desde 2015.

“Sempre me pautando por condutas e comportamentos éticos, legais, transparentes e hierarquicamente fieis as determinações que recebi do Conselho e dos Acionistas”, declarou.

“Nunca, na condição de Diretor de Coleta e Limpeza Urbana, tomei qualquer decisão, pratiquei ou deixei de fazer qualquer ato em atendimento às determinações superiores que recebi. Sempre em minha vida profissional jamais infringi em qualquer preceito ético, incluindo aqueles referentes ao sigilo profissional.”

COM A PALAVRA, ANDRÉ MEIRA

“Com indignação e surpresa tomei conhecimento da nota que notícia publicamente o meu afastamento e de outro funcionário, o que me causa constrangimentos e atinge a minha idoneidade.

Tomo conhecimento, estarrecido e profundamente decepcionado. A respeito esclareço que:

Exerci a função de Diretor de Coleta e Limpeza Urbana desde 2015, sempre me pautando por condutas e comportamentos éticos, legais, transparentes e hierarquicamente fieis as determinações que recebi do Conselho e dos Acionistas.

Deixo claro a minha total ausência de envolvimento com os fatos que foram objeto da operação da Policia Federal, intitulada “Descarte” realizada no último dia 01 deste mês.

Nunca, na condição de Diretor de Coleta e Limpeza Urbana, tomei qualquer decisão, pratiquei ou deixei de fazer qualquer ato em atendimento às determinações superiores que recebi.

Sempre em minha vida profissional jamais infringi em qualquer preceito ético, incluindo aqueles referentes ao sigilo profissional.

Estou à disposição da empresa e das autoridades para prestar todos os esclarecimentos.

Estes são os fatos. Esta é a verdade. Infelizmente uma nota vem a macular a minha honra.”

COM A PALAVRA, A ESTRE AMBIENTAL

“A Estre Ambiental reitera que instalou procedimento de auditoria com o objetivo de identificar possíveis falhas nos controles internos da companhia que tenham originado falta de recolhimento de impostos. A empresa ressalta que não há presunção de responsabilidade previa dos gestores. A Estre reitera que colabora com a Receita Federal fornecendo todas as informações disponíveis.”

Mais conteúdo sobre:

São PauloPolícia Federal