‘Incontroverso coisíssima nenhuma!’, diz Aloysio sobre suposto repasse da Odebrecht

‘Incontroverso coisíssima nenhuma!’, diz Aloysio sobre suposto repasse da Odebrecht

Senador voltou a rebater, por meio de sua conta no Twitter, petição da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, sobre R$ 500 mil delatados por executivos da empreiteira

Julia Lindner/BRASÍLIA

05 Novembro 2017 | 19h34

Senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP). Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

O ministro Aloysio Nunes (Relações Exteriores) voltou a afirmar que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, “erra” ao afirmar que ele teria recebido R$ 500 mil da Odebrecht em um esquema para financiar sua campanha eleitoral de 2010. Em petição encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF), divulgado na semana passada, Dodge disse que “é fato incontroverso que houve repasse de recursos” para o parlamentar.

+ Dodge diz ser ‘incontroverso’ repasse de R$ 500 mil da Odebrecht a Aloysio Nunes

“Incontroverso coisíssima nenhuma! O delator não soube dizer quem efetivou o suposto pagamento, nem quando ou onde isso teria ocorrido, nem quem recebeu. O que há é uma mera anotação em uma planilha que indicaria a destinação dessa importância em favor de alguém designado como ‘Manaus'”, escreveu Aloysio no Twitter.

+ Aloysio admite à PF pedido à Odebrecht e encontros com delator no Palácio dos Bandeirantes

O tucano declarou, através da rede de microblog, que quer ser investigado, mas não quer que o inquérito se “eternize”. “Quero ser investigado no inquérito em curso na PF [Polícia Federal] porque, ao final, não restará dúvida sobre a correção do financiamento de minha campanha.”

Ele destacou que a Constituição contém a garantia da “duração razoável dos processos”. “Eu reivindico a duração razoável dos inquéritos em que sou investigado porque não suporto mais conviver com imputações infundadas de atos ilícitos que não pratiquei.”

Segundo Aloysio, “se a procuradora Raquel Dodge não ficou satisfeita com as informações” que deu em seu primeiro depoimento, em maio, irá novamente à Polícia Federal “independentemente de intimação”. Ele também afirmou que Dodge deve “intimar o quanto antes” o delator Carlos Armando Paschoal, ex-diretor da Odebrecht em São Paulo, além de Rubens Rizek, que foi responsável financeiro da campanha do tucano, para prestar esclarecimentos. “Se ela quer que seja ouvido outra vez o delator Carlos Armando Paschoal, que, por duas vezes, afirmou que eu nunca lhe pedira qualquer contrapartida para providências que tomei no exercício de minhas atribuições de chefe da Casa Civil, que ele seja intimado o quanto antes”, disse o ministro.

Mais conteúdo sobre:

Aloysio Nunesoperação Lava Jato