‘Ignorar ações do governo federal para redução de homicídios é cegueira ideológica’, diz Moro

‘Ignorar ações do governo federal para redução de homicídios é cegueira ideológica’, diz Moro

Ministro da Justiça reage às críticas de que governo federal quase nada fez para contribuir com a redução dos índices de violência

Fausto Macedo e Pepita Ortega

10 de setembro de 2019 | 15h01

Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil

O ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) disse nesta terça, 10, que ignorar as ações do governo federal como uma das causas para a queda dos índices da criminalidade no País ‘é produto da cegueira ideológica’. Ele citou o enfrentamento às lideranças de facções do crime organizado e a constante valorização do trabalho das polícias como fatores que contribuem para a queda de ocorrências violentas em quase todo o País.

“(A redução) deve-se à ação dos Estados sim, mas também do governo federal, com isolamento dos comandos das organizações criminosas e apreensões recorde de drogas. Nunca se confiscou tanto entorpecente. Isso tudo tem reflexo, a polícia manda recado (para as facções)”, declarou Moro.

Nesta terça, o Estado publicou que o Brasil registrou 57.341 homicídios ao longo de 2018, o equivalente a 157 casos/dia, de acordo com dados divulgados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. O número representa uma queda de 10,4% em relação aos registros de 2017, ano em que a guerra entre facções fez a violência explodir.

Sergio Moro: ‘Claro que é necessário coibir o abuso de poder, mas tem que tomar muito cuidado com a dose’. Foto: José Cruz/Agência Brasil

Para Renato Sérgio de Lima, diretor-presidente do Fórum, o governo federal ‘não fez quase nada na segurança pública’. Isso porque, segundo destacou, o pacote anticrime de Moro ainda tramita no Congresso e o plano para redução da criminalidade violenta foi apresentado no fim de agosto.
“Quem está fazendo alguma coisa são os Estados”, afirmou Lima.

Moro reagiu. Em sua avaliação, as ações policiais promovidas a partir de medidas do governo federal têm reflexo na redução da violência.

“Valoriza-se mais a segurança, os policiais se sentem mais estimulados. Isso faz diferença. Antigamente, por muito tempo a ação policial foi tratada sob uma visão negativa, como se todo policial fosse bando de assassino. A queda do número de homicídios em 2018 é um dado positivo, mas isso não exclui o fato de que neste ano de 2019 a queda é mais significativa, batendo em torno de 20% desde janeiro.”

O ministro reconhece que ‘ainda há muito o que fazer’.

“Os índices devem ser comemorados pela população, embora o remanescente ainda é muito elevado. Por isso, todos temos que trabalhar mais para resolver.”

Tendências: