IAB se une à Ordem dos Advogados e defende investigação contra Bolsonaro e Pazuello por ‘ações e omissões’ na pandemia

IAB se une à Ordem dos Advogados e defende investigação contra Bolsonaro e Pazuello por ‘ações e omissões’ na pandemia

Centenário Instituto dos Advogados Brasileiros vê 'despreparo e descontrole das autoridades e agentes públicos' na guerra contra a covid-19, que já matou quase 270 mil em todo o País

Redação

11 de março de 2021 | 09h36

O presidente Jair Bolsonaro ajusta uma máscara no rosto durante coletiva de imprensa sobre o novo coronavírus. Foto: Adriano Machado / Reuters

O Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) manifestou ‘apoio irrestrito’ à decisão da Ordem dos Advogados do Brasil de apresentar ao Supremo Tribunal Federal (STF) e à Procuradoria-Geral da República (PGR) um pedido de investigação sobre as responsabilidades, administrativa e criminal, do presente Jair Bolsonaro, do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e demais autoridades sobre ‘ações e omissões’ no combate à pandemia da covid-19.

“O despreparo e o descontrole das autoridades e agentes públicos responsáveis em combater a pandemia, ademais das condutas inapropriadas que levam ao agravamento da crise na saúde e na economia do País, resultam em evidente menosprezo à vida da população brasileira”, afirma a presidente nacional do IAB, Rita Cortez, no ofício encaminhado ao presidente do CFOAB, Felipe Santa Cruz, após a sessão realizada nesta quarta, 10.

Documento

O IAB também manifestou apoio a outras medidas da ordem, como a ação que a OAB vai impetrar no STF para obrigar o governo federal a comprar vacinas contra a doença causada pelo novo coronavírus. “Com 11 milhões de pessoas infectadas e 270 mil mortos em decorrência da doença, é preciso dar um basta a tamanho desgoverno”, diz Rita Cortez.

No ofício, a presidente do IAB também disse a Santa Cruz que a entidade se posicionou favoravelmente outras medidas ainda não aprovadas pelo CFOAB. Uma delas é referente à criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Congresso Nacional, para apuração das responsabilidades. A votação de tal medida pela OAB foi interrompida antes da sua conclusão e será retomada no dia 17 de abril, indicou o IAB.

“O IAB entende ser importante, considerado o seu papel institucional de defesa da Constituição Federal e da cidadania, o enfrentamento pelo Conselho Federal da OAB da discussão sobre o impedimento e afastamento do Presidente da República. Havendo parecer jurídico sobre os fundamentos para o impeachment aprovado pela Sessão Plenária do IAB realizada em 10 de junho de 2020, à guisa de colaboração estamos enviando cópia do mesmo”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.