Homem que caiu da cachoeira, fraturou fêmur e teve rim extraído no lugar do baço será indenizado em R$ 100 mil

Homem que caiu da cachoeira, fraturou fêmur e teve rim extraído no lugar do baço será indenizado em R$ 100 mil

Desembargadores da 4.ª Câmara Cível do TJ do Rio acolheram ação movida por Adriano que foi internado no hospital estadual Pereira Nunes, em Duque de Caxias

Luiz Vassallo

25 Julho 2018 | 05h00

Reprodução de imagem anexada aos autos

Um homem que fez uma cirurgia para a retirada do baço, mas acabou descobrindo que os médicos, na verdade, extraíram um de seus rins, deverá ser indenizado em R$ 100 mil, por determinação da 4.ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio.

Documento

Em 2006, Adriano Ferreira caiu de uma cachoeira e teve fratura do fêmur e traumatismo craniano.

Mais do mesmo na saúde brasileira

Ele afirmou à Justiça que por causa da lentidão nas cirurgias pelas quais precisava passar acabou contraindo infecção hospitalar. Por isso, foi obrigado a se submeter a novos procedimentos.

Lava Jato do Rio prende CEO da GE e executivo da Philips

Em um desses novos procedimentos, em que seu baço deveria ter sido retirado, os médicos do hospital estadual Pereira Nunes, em Duque de Caxias, acabaram extraindo seu rim.

“Ora, sabe-se que é possível viver com apenas um dos rins mas não é menos verdade que a extração de um dos dois órgãos traz uma série de implicações e limitações para aquele que teve um dos rins extraídos”, anotou a relatora do caso, desembargadora Myriam Medeiros da Fonseca Costa.

A magistrada ainda afirmou que a ‘situação os desdobramentos dela advindos revelam intenso sofrimento por parte do autor, que se viu abandonado à própria sorte, sem o tratamento médico e cirúrgico adequados para o seu caso, que tal como descrito no laudo pericial, era de extrema gravidade, sendo induvidoso que as consequências do acidente poderiam ter sido minimizadas caso a vítima tivesse sido prontamente atendida, notadamente submetida aos procedimentos cirúrgicos emergenciais’.

Delator revela incineração de contêineres de próteses; 15 mil sofrem na fila

Em primeira instância, o juiz havia fixado indenização, a título de danos morais, em R$ 50 mil. O colegiado, ao analisar o recurso, aumentou o valor para R$ 100 mil.

COM A PALAVRA, A PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DO RIO

“A PGE-RJ vai recorrer da decisão da 4ª Câmara Cível”

Mais conteúdo sobre:

hospital