Homem da mala convidou Lava Jato a visitar Temer no Jaburu, diz procurador

Homem da mala convidou Lava Jato a visitar Temer no Jaburu, diz procurador

Carlos Lima, do Ministério Público Federal, revela que Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor especial do peemedebista, procurou a força-tarefa na véspera do impeachment de Dilma, em 2016

Julia Affonso e Marcelo Osakabe

14 Agosto 2017 | 14h33

Michel Temer e Rodrigo Rocha Loures. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima revelou nesta segunda-feira, 14, que o ex-assessor especial de Michel Temer, Rodrigo Rocha Loures, convidou a força-tarefa da Operação Lava Jato de Curitiba para encontrar o presidente no Palácio do Jaburu. Segundo o procurador, o convite ocorreu em 2016 durante um evento da Associação Nacional dos Procuradores da República, em Brasília.

“Nós estávamos recebendo um prêmio, em Brasília. Houve um emissário do presidente, que não era presidente ainda, que nos convidou no Palácio. Nós acreditamos que não era conveniente, porque naquele momento não havia porque conversar com o presidente ou eventual presidente. Nós acreditávamos que esse tipo de reunião naquele momento não haveria uma repercussão positiva para a Lava Jato”, afirmou.

Cinco dias depois de encontro com Temer, Raquel Dodge diz que motivos são ‘institucionais’

Raquel Dodge deve ser cobrada das ‘consequências’ por visita a Temer, diz procurador da Lava Jato

Delações ‘não são negociáveis’, diz procurador sobre impasse MPF e PF

Segundo o procurador, o emissário era Rocha Loures, pivô da crise política na qual mergulhou o presidente – o ex-assessor foi flagrado e filmado com uma mala preta estufada com R$ 500 mil em propina viva do grupo JBS, dinheiro supostamente destinado a Temer, segundo a Procuradoria-Geral da República.

Em 10 de maio do ano passado, a força-tarefa recebeu um prêmio da entidade pelo combate à corrupção. No dia seguinte, o plenário do Senado deu início à votação do parecer da Comissão de Constituição e Justiça sobre o impeachment da então Dilma Rousseff. Em 12 de maio, a petista foi afastada da Presidência.

“Foi nesse momento que recebemos o convite, através do interlocutor e esse interlocutor nos convidou a ir até o Palácio e nós dissemos não”, relatou o procurador.

“Muitas vezes a decisão decorre do momento. Nós, naquele momento, entendemos que não era o caso de nos conversarmos com o eventual presidente.”

Segundo o procurador, ‘a Lava Jato está sempre aberta a interlocução’.

“Recebemos visita, inclusive, do ministro da Justiça, à época, Alexandre de Moraes. Entendemos que essas visitas se dão dentro de um protocolo. Nós temos um procurador-geral da República que a princípio é o interlocutor do Ministério Público com o presidente da República”, afirmou.

No dia 8 de agosto, o presidente Michel Temer (PMDB) recebeu no Palácio do Jaburu, a nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, em encontro marcado fora da agenda oficial. Raquel chegou por volta das 22 horas, em seu carro oficial.

Na ocasião, a assessoria do Planalto disse que Temer atendeu ao pedido de Raquel para conversar sobre a sua posse no cargo, que será realizada no dia 18 de setembro, um dia depois do encerramento do mandato do seu algoz, o atual procurador, Rodrigo Janot.

Carlos Fernando afirmou que o convite para ir ao Jaburu ocorreu uma única vez. “Só houve um convite e nós recusamos”, disse.

“Tenho para mim que encontros fora da agenda não são ideais para nenhuma situação de um funcionário público. Nós mesmos às vésperas, no dia da votação do impeachment, fomos convidados a comparecer no Palácio do Jaburu, à noite, e nos recusamos. Nós entendíamos que não tínhamos nada que falar com o eventual presidente do Brasil naquele momento.”