Home office: mudanças e adaptações 

Home office: mudanças e adaptações 

Daniele Alves*

19 de maio de 2020 | 04h00

Daniele Alves. FOTO: DIVULGAÇÃO

Com a pandemia da covid-19, aconteceu o isolamento social para evitar a proliferação do contágio da doença em todo mundo, o que provocou o fechamento de indústrias, comércios, etc, e claro, diminuiu a circulação de pessoas dispostas a comprar bens e serviços.

Diante da redução de suas receitas, empresas precisaram revisar seus planos financeiros e de gestão para se adaptarem à nova realidade. Algumas foram rápidas neste quesito para que o negócio não parasse. Para muitas, as mudanças foram ocorrendo semana a semana, de acordo com o surgimento de novas demandas.

O processo de reconhecimento da situação fez com que empresários agissem e articulassem alterações nas equipes, vendo quem poderia entrar em férias ou seguir no “regime de home office”.

Nova realidade – Home Office

Neste novo contexto que entramos, o que chamou a atenção da maior parte dos empresários foi o rendimento positivo que a grande parte das equipes, principalmente de BackOffice estão fazendo. A produtividade está a mil e, com certeza, esse já é um novo formato de estrutura para a maioria das empresas.

É necessário “pensar fora da caixa”. O colaborador que apresenta resultado é o que mostra que a gestão como um todo vem sendo assertiva. Em tempos de home office, não é necessário que a empresa se prenda a horários: o que vale agora é a entrega, e não o tempo despendido.

Assistimos e lemos que especialistas acreditam que as mudanças organizadas em razão da pandemia podem permanecer definitivamente, como o home office. Sabemos que “esta fase” é incerta de tempo, não conseguimos especificar um prazo ou planejar algo, já que estamos lidando com um vírus totalmente novo e ainda sem tratamento ou vacina. Por isso, é necessário estudar as frentes e possibilidades de cada empresa diante de diferentes cenários e entender que sim, tudo mudou: por isso, foquemos na entrega e resultado.

Se a empresa seguir com esse planejamento: de que uma equipe muito mais proativa e focada em contribuir, deixando de lado, horários e regras ultrapassadas, com certeza a empresa vai colher pontos positivos, e terá um caminho com mais possibilidades. A partir de agora é “um dia após o outro”, não adianta se desesperar. Estamos em uma alta da tecnologia e presenciando esse novo mundo que chegou. Devemos utilizar muitas plataformas para organização e facilitar processos que antes não fluíam. Por isso, precisamos focar nas novas possibilidades e como podemos evoluir. São tempos de garantir qualidade, sem se prender ao passado!

*Daniele Alves, gestora e empresária

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: