Holandesa SBM Offshore vai indenizar Petrobrás em R$ 1,2 bi

Holandesa SBM Offshore vai indenizar Petrobrás em R$ 1,2 bi

O valor a ser destinado à Petrobrás soma-se ao montante de R$ 1,4 bilhão, já recebido pela companhia, a título de ressarcimento de danos, por meio de acordos de colaboração premiada

Luiz Vassallo

26 de julho de 2018 | 18h47

Foto: MARCOS DE PAULA/AGÊNCIA ESTADO/AE/Código imagem:102474

O Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), a Advocacia-Geral da União (AGU) e a Petrobrás informam, nesta quinta-feira, 26, assinatura de acordo de leniência com a SBM Offshore. Por força do acordo, previsto na Lei Anticorrupção (nº 12.846/2013), a empresa holandesa pagará cerca de R$ 1,22 bilhão, entre valores de multa e ressarcimento de danos.

Acordo com AGU e CGU melhora cenário para Odebrecht

O valor a ser recebido pela Petrobrás soma-se ao montante de R$ 1,4 bilhão, já recebido pela companhia, a título de ressarcimento de danos, por meio de acordos de colaboração premiada.

As informações foram divulgadas pela Advocacia-Geral da União.

CGU e AGU assinam acordo de leniência com a Odebrecht; TCU contesta

Segundo informações da AGU, o ‘acordo prevê o pagamento de R$ 549 milhões pela SBM à Petrobrás – em até 90 dias – sendo R$ 264 milhões relativos à multa, prevista na Lei de Improbidade Administrativa, e R$ 285 milhões em antecipação de danos’. “Além disso, o acordo inclui o abatimento do valor nominal de US$ 179 milhões (cerca de R$ 667 milhões, na cotação de hoje) em pagamentos futuros, devidos pela Petrobrás à SBM, com base em contratos vigentes de afretamento e operação”.

“O termo seguiu os pilares básicos elencados pela CGU e AGU nas negociações, ou seja, celeridade na obtenção de provas, identificação dos demais envolvidos nos ilícitos, cooperação com as investigações por parte da empresa leniente e comprometimento da empresa na implementação de mecanismos efetivos de integridade”, afirma a AGU.

A AGU ainda explica que ‘a SBM fica apta a participar das licitações em curso e de contratações futuras na estatal brasileira’. “Nesse caso, a SBM terá de passar por todos os filtros e controles de conformidade a que estão submetidos os fornecedores da Petrobrás. A empresa fica obrigada ainda a cooperar com os processos que poderão ser conduzidos pela CGU em desfavor de terceiros, como desdobramentos do caso”.

Negociação. Segundo a AGU, ‘o processo de negociação com a SBM Offshore foi iniciado em março de 2015’. “Um acordo de leniência foi assinado e divulgado em 15 de julho de 2016, porém não entrou em vigor, conforme divulgado em nota em 1º de setembro de 2016”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.