Hábitos de consumo e organização financeira

Hábitos de consumo e organização financeira

Ricardo Hiraki Maila*

16 de maio de 2021 | 07h00

Ricardo Hiraki. FOTO: DIVULGAÇÃO

Esses são dois assuntos que andam juntos e desculpe, misturados. Quando estamos no momento de dedicar tempo para gerar mais saúde financeira na nossa vida, é básico passarmos organizar, planejar e definir objetivos; e é quando notamos que, refletir sobre hábitos de consumo pode ser definitivo no tamanho do esforço que precisaremos fazer ao passar dos anos.

Ao longo da vida mudamos bastante nosso estilo de consumo. Na dura fase do estágio e estudar, por exemplo, tudo costuma ser bastante limitado, sabemos que teremos que segurar poucos reais para o salgado do jantar. Quando passamos a ganhar um pouquinho melhor é comum vermos que as pessoas vão aumentando e experimentando novos estilos e tentações, gastar em roupas, bares etc. vai se tornando algo da rotina. E vamos progredindo para outros consumos conforme vamos criando novos compromissos.

Achar esse equilíbrio entre o que é um consumo que faz sentido para nós, e ter saúde financeira é um grande desafio e complexo. Consumir produtos e serviços que nos façam verdadeiramente bem, exige a experiência de ter vivido aquilo e ter a capacidade de reflexão e autoconhecimento de modo que produza decisões.

Um outro modo de refletir sobre, é pensar o que consumiu no passado e se, de fato tem, prazer de sentar em uma mesa de amigos para compartilhar a experiência. Normalmente as pessoas vão pouco falar da compra de um celular, carro e roupas. Mas é comum contarmos da experiências de viagens, pessoas que conhecemos e situações até relativamente simples que nos metemos.

Uma das palavras chaves que pode nos ajudar a rever hábitos é priorizar. Então, ter um histórico dos seus consumos listados e colocar em ordem do mais pro menos importante pode ajudar a gerar reflexão no que estiver ficando pro final da lista e sem espaço dentro do orçamento. Mas claro, não deixemos de fora dessa lista os nossos compromissos com os objetivos futuros.

Vivemos a era de sermos influenciados em uma intensidade nunca antes vista e nossas informações correm na velocidade da internet. Cair nessas armadilhas que nos geram necessidades não reais é comum, e por vezes, ficamos presos e inertes a isso.

Nós seres humanos temos uma alta capacidade de nos acostumarmos com novos ambientes e, o mesmo acontece com nossos hábitos de consumo. E, para muitas pessoas, não notamos mais que compras pouco importantes estão dentro da nossa rotina e simplesmente continuamos na inércia financeira. Carregar isso ao longo dos anos nos exigirá produzir uma quantidade de horas trabalhadas enormes e por vezes, irá nos tirar o tempo e energia para aquilo que de verdade nos é importante; o tempo de estar com as pessoas que gostamos tendo experiências trocadas de situações que nos fazem felizes.

É praticamente um paradoxo: do tempo de amadurecermos nosso aprendizado por ter vivido aquele consumo, contra o fato de vivermos as compras para sermos a pessoa que irá refletir sobre. Mas sei que posso afirmar: o exercício de refletir sobre o que faz verdadeiramente feliz, pode encurtar esse conhecimento e te libertar para ainda ter tempo para você, com a segurança que a vida financeira pode lhe proporcionar.

Sucesso a todos!

*Ricardo Hiraki Maila é sócio-fundador e atua como CEO e CFO da Plano Consultoria

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.