‘Há uma tentativa óbvia de misturar assuntos diferentes’, diz assessoria de Temer sobre doação de empreiteira para PMDB

Presidente nega, em nota de sua assessoria, que sua campanha em 2014 tenha recebido cheque da empreiteira Andrade Gutierrez

Redação

10 de novembro de 2016 | 19h15

O presidente Michel Temer esclareceu, por meio de nota divulgada por sua assessoria de imprensa nesta quinta-feira, 10, que sua campanha eleitoral em 2014 recebeu cheques da empreiteira Andrade Gutierrez. O peemedebista informou, ainda, que as doações ao seu partido feitas pela empreiteira naquele ano somaram R$ 3 milhões.

Na nota, a assessoria de Temer afirma que há uma ‘tentativa óbvia de misturar assuntos diferentes’ em referência às alegações da defesa de Dilma Rousseff ao Tribunal Superior Eleitoral de que o delator da Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, teria ‘afirmado falsamente’ que a doação de R$ 1 milhão da empresa, realizada em março daquele ano ao PT como parte de um suposto acerto de propinas, foi encaminhada pelo diretório à campanha da chapa Dilma-Temer em 14 de julho.

Na versão da defesa de Dilma, com base em comprovantes de doações e até um cheque, em julho daquele ano foi feita uma transferência do diretório do PMDB à campanha eleitoral da chapa. Os recursos do diretório do PMDB também vieram de uma doação da Andrade.

ESTADÃO: A campanha eleitoral de Michel Temer em 2014 recebeu em sua conta cheque da Andrade Gutierrez?

ASSESSORIA DE IMPRENSA DE MICHEL TEMER: Nenhum cheque da empresa Andrade Gutierrez foi depositado na campanha eleitoral de Michel Temer em 2014.

ESTADÃO: A doação de R$ 1 milhão da Andrade Gutierrez, informada por Otávio Azevedo ao TSE, foi destinada a sua campanha?

ASSESSORIA DE TEMER: No depoimento de Azevedo, há uma menção a R$ 1 milhão ao PT, em março, que é complemente diferente da doação feita ao PMDB, no valor de R$ 3 milhões. Foram desses R$ 3 milhões que houve repasse para a conta do então candidato a vice-presidente, como está registrado no TSE. A contribuição foi voluntária e seguiu a Lei Eleitoral.

ESTADÃO:A defesa da ex-presidente Dilma alega ao TSE que Otávio Azevedo ‘afirmou falsamente’ à Corte que o R$ 1 milhão foi destinado ao diretório nacional do PT. Segundo a defesa da ex-presidente, este valor, na verdade, foi destinado à campanha do vice, via diretório nacional do PMDB. “O que houve foi a transferência de R$ 1 milhão de reais, em 14 de julho de 2014, da conta do diretório nacional do PMDB para a conta Eleição 2014 Michel Temer vice-presidente, tendo Andrade Gutierrez como doador originário”, argumenta a defesa. Como o sr analisa esta versão da defesa da ex-presidente?

ASSESSORIA DE TEMER: Há uma tentativa óbvia de misturar assuntos diferentes. Azevedo faz referência ao R$ 1 milhão para o PT no mês de março. O depósito na conta do PMDB aconteceu no dia 3 de julho de 2014, com valor de R$ 3 milhões. São datas e valores completamente distintos.

Tudo o que sabemos sobre:

Michel TemerTSEAndrade Gutierrez

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.