Grupo de Sarney pegou 1% do valor de obra da ferrovia Norte-Sul, afirmam delatores

Grupo de Sarney pegou 1% do valor de obra da ferrovia Norte-Sul, afirmam delatores

Executivos da Odebrecht revelaram à força-tarefa da Lava Jato que repasses ocorreram entre 2008 e 2009 e que outros 3% do valor do contrato foram destinados ao grupo do então deputado Valdemar da Costa Neto (PR)

Vitor Tavares e Vivian Codogno

12 de abril de 2017 | 17h31

José Sarney. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

José Sarney. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

O grupo político do ex-presidente José Sarney (PMDB-AM) é citado nas delações dos executivos da Odebrecht como beneficiário de recebimento de propina relativa à obra da Ferrovia Norte-Sul, executada pela empreiteira e conduzida pela empresa pública Valec Engenharia, vinculada ao Ministério dos Transportes.

De acordo com as delações de Pedro Augusto Carneiro Leão Neto e João Antônio Pacífico Ferreira, pessoas ligadas ao ex-presidente receberam entre 2008 e 2009 cerca de 1% sobre o contrato da obra, representado por Ulisses Assada, diretor de engenharia da Valec. Outros 3% seriam destinados ao grupo político do ex-deputado Valdemar da Costa Neto (PR), liderado por José Francisco das Neves, o ‘Juquinha’.

As informações constam do pedido de abertura de inquérito contra o deputado federal Milton Conti (PR-SP), que ‘teria atuado na cobrança de vantagem indevida, sendo a propina paga por meio do Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht’.

Os depoimentos que envolvem Sarney serão enviados à Justiça Federal de Goiás, onde já há apuração sobre a Valec.

Obra. O projeto da Ferrovia Norte-Sul, que liga Anápolis (GO) a Palmas (TO), foi iniciada no governo de José Sarney. Mais de 20 anos depois, o projeto foi ampliado pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Atualmente, ele prevê ligar Açailândia, no Maranhão, até Rio Grande, no Rio Grande do Sul.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.