Granero diz que entregou adega de Lula no sítio de Atibaia

Granero diz que entregou adega de Lula no sítio de Atibaia

Transportadora revela que Paulo Okamotto informou que armazenagem do acervo museológico do ex-presidente seria contratada 'pela apoiadora do Instituto Lula, a empresa OAS'

Fausto Macedo e Fernanda Yoneya

04 de março de 2016 | 20h44

A Granero Transportes informou nesta sexta-feira, 4, que em junho de 2012 entregou a adega do ex-presidente Lula ‘em um sítio localizado na região de Atibaia-SP’.

Em nota subscrita por seu presidente, Roberto Granero, a empresa destacou que em janeiro de 2011 o acervo museológico do petista, correspondente a dez contêineres, foi entregue por outra transportadora à Granero para armazenagem.

Segundo a nota, Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, informou que a armazenagem do material seria feita ‘por um curto período de tempo e contratada pela apoiadora do Instituto Lula, a empresa OAS’.

“Para isso, foi firmado contrato com a OAS, no valor de R$ 21.536,84 mensais, que perdurou por cinco anos”, destaca a Granero.

O texto esclarece que em dezembro de 2010 (fim do segundo mandato de Lula), a unidade franqueada da Graneto-Três Poderes foi vencedora da concorrência pública número111/2010 para o serviço de transporte de parte da mudança do ex-presidente, no percurso Brasília – São Paulo, pelo valor de R$ 22.722, envolvendo quatro caminhões.

No dia 06 de janeiro de 20119, os itens de vestuário do petista ‘foram entregues na Avenida Prestes Maia, 1501, apto. 100, em São Bernardo do Campo/SP’.

Em relação à adega e ao acervo audiovisual, foi assinado contrato com o Instituto Lula, no valor mensal de R$ 4.726,21, para que ficassem armazenados na Granero, informou a empresa.

Segunfo a nota, o acervo audiovisual ‘permanece armazenado com a Granero’.

Nos dias 18 e 19 de janeiro de 2016, no auge da Operação Lava Jato, o acervo museológico do ex-presidente foi retirado do armazém da Granero por uma transportadora contratada por Okamotto.

“A Granero, há quase 50 anos, atua em todo o Brasil, de forma ética e transparente, atendendo cerca de 20 mil famílias por ano. Além disso, a empresa tem colaborado com a Justiça, prestando todos os esclarecimentos necessários às autoridades.”

nota granero

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.