Governador interino do Rio faz queixa-crime contra empresário por delação de propina de R$ 100 mil

Governador interino do Rio faz queixa-crime contra empresário por delação de propina de R$ 100 mil

Cláudio Castro, que assumiu o Executivo fluminense no lugar de Wilson Witzel, foi denunciado ao Ministério Público do Rio de Janeiro por Bruno Campos Selém, que fechou acordo de colaboração premiada e o acusa de ter recebido pagamentos para beneficiar a empresa Servlog Rio em contratações com o município quando ocupou o cargo de Subsecretário de Proteção à Pessoa com Deficiência

Rayssa Motta e Fausto Macedo

04 de outubro de 2020 | 20h19

A defesa do governador interino do Rio, Cláudio Castro (PSC), entrou com uma queixa-crime na última quarta-feira, 30, contra o empresário Bruno Campos Selém – delator que envolveu seu nome em supostos desvios em contratos de assistência social firmados pela Prefeitura do Rio investigados na Operação Catarata.

Na representação, o substituto de Wilson Witzel (PSC) sustenta que foi vítima de calúnia e pede a abertura de uma ação penal para condenar o empresário.

“No afã de apresentar fatos ilícitos ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, cita o nome do Querelante (Cláudio Castro) de forma leviana, sem apresentar elementos que respaldem a narrativa”, alega a defesa.

Cléudio Castro, governador interino do Rio de Janeiro. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Os advogados Carlo Luchione, Lucas Sobral Tavaes e Daniela Laboragine, que representam Castro, continuam: “O Querelado (Bruno Campos Selém) imputa, falsamente, ao Querelante (Cláudio Castro), condutas de enorme gravidade, que, além dos efeitos gerados no âmbito penal, certamente produziram efeitos negativos na imagem do Querelante enquanto cidadão e, especialmente, enquanto Governador em exercício no Estado do Rio de Janeiro”.

Em sua delação, Bruno Campos Selém afirmou às autoridades que Cláudio Castro recebeu R$ 100 mil em propina para beneficiar a empresa Servlog Rio em contratações com o município do Rio no Projeto Qualimóvel na época em que era vereador e ocupou a Subsecretaria de Proteção à Pessoa com Deficiência.

O empresário foi preso na primeira fase da Operação Catarata, deflagrada em julho do ano passado. A segunda etapa, no mês passado, prendeu a a ex-deputada federal Cristiane Brasil (PTB) e o ex-secretário estadual de Educação do Rio, Pedro Fernandes, denunciados por participação no suposto esquema de corrupção que pode ter desviado até R$ 32 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:

Cláudio Castro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.