Gilmar tira de Curitiba ação de Mantega

Gilmar tira de Curitiba ação de Mantega

A denúncia havia sido aceita em agosto de 2018, quando Sérgio Moro ainda era o juiz do caso, hoje sob responsabilidade de Luiz Antonio Bonat; ex-ministro dos governos Lula e Dilma é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro

Paula Reverbel e Pedro Venceslau

04 de setembro de 2019 | 14h53

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), tirou de Curitiba o único caso contra o ex-ministro Guido Mantega, que corria na 13ª vara. Gilmar determinou que o caso seja enviado à Justiça Federal do Distrito Federal.

O ministro do STF, Gilmar Mendes. Foto: Nelson Jr / SCO-STF

A decisão foi tomada na terça-feira, 3, e vale apenas para Mantega, apesar de outras pessoas serem réus na mesma ação. A denúncia havia sido aceita em agosto de 2018, quando Sérgio Moro ainda era o juiz do caso, hoje sob responsabilidade de Luiz Antonio Bonat.

Nela, o ex-ministro é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro. Segundo procuradores, ele teria recebido da empreiteira Odebrecht para atuar na edição de medidas provisórias que beneficiavam empresas do grupo, permitindo refinanciamento de dívidas.

Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda nos governos Lula e Dilma. Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

De acordo com Fábio Tofic Simantob, advogado de Mantega, a medida de Gilmar apenas garante o cumprimento de outras decisões tomadas pela segunda turma do Supremo, que haviam tirado de Curitiba as menções feitas ao ex-ministro em delações premiadas.

Com a decisão, caem todas as medidas cautelares sobre Mantega, como a apreensão de passaportes e o uso de tornozeleira eletrônica.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: