Gilmar solta ex-secretário de Alckmin

Gilmar solta ex-secretário de Alckmin

Ministro estendeu ao ex-presidente da Desenvolvimento Rodoviário S.A. e ex-chefe de Logística e Transportes, preso desde 21 de junho na Operação Pedra no Caminho, habeas corpus que havia sido concedido a Pedro da Silva, ex-diretor da Companhia

Rafael Moraes Moura e Breno Pires / BRASÍLIA

04 Setembro 2018 | 22h46

Laurence Casagrande. – Foto: JB NETO / AE

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, mandou soltar nesta terça-feira, 4, o ex-secretário de Logística e Transporte (governo Geraldo Alckmin, do PSDB) Laurence Casagrande Lourenço, que foi diretor-presidente da Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa) e da Companhia Energética de São Paulo (Cesp), cargo que ocupou até ser preso na Operação Pedra no Caminho.

Laurence foi detido em 21 de junho, por ordem da juíza federal Maria Isabel do Prado, da 5.ª Vara Criminal Federal de São Paulo.

‘Laurence é uma pessoa séria, correta’, afirma Alckmin sobre seu ex-secretário preso na Lava Jato

Em sua decisão, Gilmar substituiu a prisão preventiva de Laurence por medidas cautelares diversas, como a proibição de acesso ou frequência aos prédios e dependências da Dersa e a outros prédios do governo do Estado de São Paulo que possam ter relação com os fatos apurados na ação penal em questão.

O ministro também proibiu Laurence Casagrande de manter contato com outros investigados e deixar o País, devendo entregar seu passaporte em até 48 horas.

A Polícia Federal enquadrou Laurence no inquérito da Operação Pedra no Caminho por supostos desvios nas obras do Trecho Norte do Rodoanel. À época, o criminalista Eduardo Carnelós disse que a “decisão de indiciar o sr. Laurence Casagrande Lourenço não contém nenhum fundamento, e ignora os próprios elementos dos autos do inquérito policial”.

ENTREVISTA. Na semana passada, em entrevista ao Jornal Nacional, o candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, disse que Laurence Casagrande Lourenço é “uma pessoa séria, correta”.

“Acho que Laurence está sendo injustiçado”, afirmou Alckmin. “Espero que amanhã, quando ele for inocentado, tenha o mesmo espaço para fazer Justiça. (Laurence é) uma pessoa de vida simples, uma pessoa séria, uma pessoa correta, está havendo uma grande injustiça.”

COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA EDUARDO CARNELÓS, QUE DEFENDE LAURENCE

Nestes tempos tristes em que impera a banalidade do mal, de que falou Hannah Arendt, em que se considera normal a manutenção na prisão, sem nenhum fundamento, dum homem de bem, é um alento receber a notícia de que o ministro Gilmar Mendes deferiu o pedido de extensão para devolver Laurence ao convívio de sua família e seus amigos.