Gilmar manda soltar outro ex-secretário ligado a Cabral

Gilmar manda soltar outro ex-secretário ligado a Cabral

Ministro do Supremo decidiu colocar em liberdade advogado Marcos Vinícius da Silva Lips, ex-secretário-adjunto de tratamento penitenciário, suposto intermediário de propinas para ex-governador; também nesta quarta, 23, o magistrado soltou outros dois aliados do emedebista, o operador Carlos Miranda e o ex-secretário de Obras, Hudson Braga

Rafael Moraes Moura e Amanda Pupo/ BRASÍLIA

23 Maio 2018 | 20h37

Gilmar Mendes. Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino

BRASÍLIA – O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou soltar o advogado Marcos Vinícius da Silva Lips, ex-secretário adjunto de tratamento penitenciário da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap) do Rio de Janeiro durante o governo de Sérgio Cabral (MDB-RJ).

+ Gilmar solta ex-secretário de Obras do Rio e operador financeiro de Sérgio Cabral

Gilmar determinou que a prisão preventiva seja substituída por duas medidas cautelares: a proibição de manter contato com outros investigados e o impedimento de deixar o País, devendo entregar o passaporte em até 48 horas.

+ Prisão temporária cresce 32% após veto a condução

Lips foi citado por Carlos Miranda como o intermediário das propinas provenientes da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap) do Rio de Janeiro. Miranda é apontado como operador financeiro do ex-governador Sérgio Cabral e também foi colocado em liberdade por decisão de Gilmar Mendes.

+ Gilmar nega a Marcelo Miranda volta ao governo do Tocantins

O ex-secretário foi preso no dia 17 de março deste ano, ao desembarcar no aeroporto do Galeão, na zona norte do Rio. Marcos Vinícius teve a prisão preventiva decretada pela Justiça Federal no Rio de Janeiro, sob acusação de participar de uma fraude no fornecimento de alimentação para os detentos do Estado do Rio. Lips estava em Miami, nos Estados Unidos, e retornou ao Brasil neste sábado, quando se entregou.

+ Pelas mãos de Gilmar

A ordem de prisão contra Lips foi expedida pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, dentro da operação Pão Nosso, deflagrada na terça-feira pela Polícia Federal, Receita Federal e Ministério Público Federal. Foi mais uma etapa da Operação Calicute, braço da Lava Jato no Rio de Janeiro.

A defesa de Marcos Vinícius Silva Lips alega que o advogado não ocupa qualquer cargo público há mais de 5 anos e se apresentou espontaneamente às autoridades após ter conhecimento do decreto prisional.

Gilmar também mandou soltar o empresário Arthur Machado, suspeito de participar de um esquema de lavagem de dinheiro através da operação dólar-cabo invertido. Machado entrou na mira da Operação Rizoma, que apura um esquema de propinas de R$ 20 milhões envolvendo fundos de pensão dos Correios (Postalis) e do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpros).

Segundo as investigações, Machado fazia o pagamento de vantagens indevidas a representantes de fundos de pensão (Postalis e Serpros) a fim de que investissem em empresas do grupo ATG – Americas Trading Group, da qual é fundador.

“Os supostos crimes são graves, não apenas em abstrato, mas em concreto, tendo em vista as circunstâncias de sua execução. Muito embora graves, esses fatos são consideravelmente distantes no tempo da decretação da prisão. Teriam acontecido entre 2014 a 2016”, observou Gilmar.