Gilmar Mendes manda abrir vídeo do Senado no caso Aécio

Gilmar Mendes manda abrir vídeo do Senado no caso Aécio

Ministro do Supremo determinou à Polícia Federal que analise imagens de um servidor do Congresso carregando documentos da CPI dos Correios no mesmo dia em que foi aberta investigação contra senador tucano

Mateus Coutinho, Julia Affonso e Fausto Macedo

17 de outubro de 2016 | 21h13

DECISAOGILMAR

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, determinou que a Polícia Federal analise o vídeo de um servidor do Senado transportando documentos da CPI dos Correios para a Coordenação do Arquivo da Casa no mesmo dia em que o STF abriu uma investigação contra o senador Aécio Neves (PSDB/MG), em 3 de maio deste ano, por suspeita de atuar para maquiar os dados do Banco Rural encaminhados à Comissão Parlamentar de Inquérito dos Correios em 2005.

Documento

Segundo o ex-senador e ex-presidente da CPI Delcídio Amaral, os dados do Banco Rural poderiam implicar em irregularidades o senador e outros nomes do PSDB, e por isso teriam sido adulterados a pedido de Aécio.

Além disso, o ministro do STF, responsável pelas investigações contra o presidente do PSDB decorrentes da Lava Jato na Corte, determinou que a Polícia Federal tome os depoimentos de todos os responsáveis por encaminhar os documentos do Banco Rural à comissão em 2005 e também que interrogue todos os investigados no inquérito.

Gilmar Mendes acatou ainda os pedidos da Procuradoria-Geral da República para ter acesso a todos os dados da CPI dos Correios, a inclusão de Delcídio como investigado, além de todos os dados do Banco Rural – supostamente utilizado para movimentar dinheiro por meio de empréstimos fraudulentos no esquema do mensalão.

COM A PALAVRA, A ASSESSORIA DE AÉCIO NEVES:

“O senador Aécio Neves considera adequada a decisão do ministro Gilmar Mendes referente à CPI dos Correios, pois contribui para garantir transparência ao processo.

A  solicitação do senador Aécio Neves ao Senado seguiu estritamente a legislação vigente, que permite a qualquer cidadão pedir ao Congresso pesquisa de documentos, o que foi feito pelo setor competente, como atesta documento oficial do Senado (em anexo).”

SENADOAECIO