Gilmar Mendes afirma que não cancelou inquérito sobre Aécio

Gilmar Mendes afirma que não cancelou inquérito sobre Aécio

Ministro do Supremo esclarece que houve 'mera suspensão' de diligências

Fausto Macedo e Julia Affonso

16 de maio de 2016 | 19h41

Gilmar Mendes. Foto: Carlos Humberto/SCO/STF

Gilmar Mendes. Foto: Carlos Humberto/SCO/STF

O ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes afirmou nesta segunda-feira, 16, que não mandou cancelar o inquérito relativo ao senador Aécio Neves (PSDB). “Trata-se de mera suspensão de diligências, não houve cancelamento de absolutamente nada”, declarou o ministro.

Gilmar Mendes esclareceu que o procurador-geral da República Rodrigo Janot requereu, inicialmente, abertura de inquérito.

Uma das bases do pedido de Janot é a delação do senador cassado Delcídio Amaral (ex-PT-MS), em que ele liga Aécio à suposta corrupção na estatal de energia em Furnas. A outra é a Operação Norbert, deflagrada no Rio.

[veja_tambem]

Na petição ao Supremo, por meio da qual pede abertura de inquérito contra o senador tucano, Janot afirmou que a investigação sobre a suspeita de corrupção ‘merece reavaliação’.

“O procurador pediu e eu determinei a abertura do inquérito”, observa Gilmar Mendes. “A petição, o senador afirma que o pedido de inquérito tem erros factuais, como a afirmação de que a factoring da irmã teria funcionado até 2010. A factoring teria encerrado atividades em 1999. E a fundação não teria tido atividade, como reconhecido pela própria PGR anteriormente. Por isso, mandei os autos ao PGR a fim de que se manifestasse sobre esses fatos, evitando possíveis diligências dispensáveis.”

O ministro afirmou. “A fundação educacional da mãe dele (Aécio) acabou nunca se constituindo de fato. Por isso o próprio Ministério Público Federal já havia arquivado duas vezes o procedimento, uma vez no Rio a outra pelo próprio Janot”, disse o ministro do Supremo.

“Suspendi as diligências e mandei os autos do inquérito para o procurador-geral apenas para ele reavaliar os documentos e verificar o que estão afirmando. Não houve cancelamento, só suspensão para evitar que saiam aí intimando testemunhas, ouvindo pessoas. Uma mera suspensão enquanto a Procuradoria analisa esses documentos que eles juntaram. Não tem nada de cancelamento.”

Em março de 2015, o Supremo arquivou, a pedido do próprio Janot, a investigação sobre o presidente nacional do PSDB. O procurador apontou ‘inexistência de elementos mínimos’. Naquela época, os investigadores tinham em mãos a delação premiada do doleiro Alberto Youssef, personagem central da Operação Lava Jato, citando Aécio.

Tudo o que sabemos sobre:

Aécio NevesFurnasGilmar Mendes

Tendências: