Gilmar mantém preso empresário acusado de participar de esquema de corrupção no Rio

Gilmar mantém preso empresário acusado de participar de esquema de corrupção no Rio

Miguel Iskin tentava revogar a prisão preventiva decretada no âmbito de uma investigação de esquema de corrupção na Secretaria de Estado do Rio de Janeiro, desbaratado pela Operação SOS - Fratura Exposta III; o empresário está detido desde agosto do ano passado

Rafael Moraes Moura / BRASÍLIA

03 de julho de 2019 | 08h09

Ministro Gilmar Mendes do Supremo Tribunal Federal. FOTO: WILTON JUNIOR/ESTADÃO

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu rejeitar um habeas corpus do empresário Miguel Iskin. Iskin recorreu ao tribunal para revogar a prisão preventiva decretada no âmbito de uma investigação de esquema de corrupção na Secretaria de Estado do Rio de Janeiro, desbaratado no âmbito da Operação SOS – Fratura Exposta III, um desdobramento da Operação Lava Jato.

“Não se pode afirmar, neste momento, que a nova prisão decretada caracteriza desrespeito às decisões anteriores deste STF, ao passo que estão em andamento novas fases da operação de persecução penal na origem”, concluiu o ministro.

O empresário foi preso em agosto do ano passado por decisão da Justiça Federal do Rio de Janeiro. A defesa de Iskin alegou ao STF que não há dados concretos para justificar a prisão e sugeriu a aplicação de medidas alternativas, menos gravosas que a prisão.

Tudo o que sabemos sobre:

Gilmar Mendes

Tendências: