Gilmar estica por dois meses investigação contra Aécio e Anastasia

Gilmar estica por dois meses investigação contra Aécio e Anastasia

Inquérito derivado da delação da Odebrecht investiga suposto repasse de R$ 1,8 mi para campanha tucana ao governo de Minas em 2010

Amanda Pupo

24 Maio 2018 | 12h44

Aécio Neves (PSDB-MG). FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADAOaecio

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou estender por mais 60 dias o prazo das investigações em inquérito aberto contra os senadores do PSDB Aécio Neves e Antonio Anastasia. O pedido é do delegado da Polícia Federal, Marlon Cajado, que comanda a investigação, instaurada com base na delação de ex-executivos da Odebrecht.

Documento

Os colaboradores revelaram que, em 2010, a pedido de Aécio, pagaram R$ 5,4 milhões em “vantagens indevidas” para a campanha de Anastasia ao governo de Minas. Os delatores contaram ainda que, também por solicitação de Aécio, quando ainda era governador, desembolsaram em 2009 R$ 1,8 milhão para a campanha de Anastasia.

Segundo o delegado da PF, o prazo maior é necessário para ouvir o depoimento de Oswaldo Borges da Costa Filho, ex-presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (CODEMIG), também investigado no inquérito. Uma análise e eventual perícia em dados do ‘my web day’ e ‘drousys’, sistemas de comunicação e contabilidade de propinas da Odebrecht, também é listada como uma das pendências da investigação.

Aécio é alvo de sete investigações e de uma ação penal no STF, que tramitam no Supremo. O senador se tornou réu recentemente pelo suposto recebimento de R$2 milhões de Joesley Batista, do Grupo J&F, acusado ainda de atrapalhar as investigações em torno da Operação Lava Jato.

No início do mês, o parlamentar teve um dos inquéritos em que é investigado baixado para a primeira instância da Justiça, a partir das novas regras do foro por prerrogativa. A investigação, que estava sob relatoria de Alexandre de Moraes, apura supostas irregularidades na construção da Cidade Administrativa no segundo mandato de Aécio como governador de Minas Gerais.

COM A PALAVRA, O SENADOR ANTONIO ANASTASIA

“Trata-se de um procedimento comum. Os órgãos de investigação têm de ter o prazo que consideram adequado para apuração dos fatos.”

Mais conteúdo sobre:

Aécio NevesSTFGilmar Mendes