Gilmar envia à PGR pedido para investigar Queiroga por ‘apagão’ de dados da covid

Gilmar envia à PGR pedido para investigar Queiroga por ‘apagão’ de dados da covid

Deputados petistas pedem que ministro da Saúde seja responsabilizado por demora no restabelecimento da plataforma que reúne dados epidemiológicos da pandemia

Rayssa Motta

29 de janeiro de 2022 | 14h02

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), abriu prazo para a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestar sobre um pedido de deputados petistas para investigar o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, pelo ‘apagão’ de dados na pandemia.

A plataforma que recebe dados epidemiológicos da covid-19 levou mais de um mês para ser restabelecida desde o ataque hacker sofrido em dezembro. A instabilidade ocorreu em meio ao avanço da variante ômicron no Brasil e ao surto de influenza H3N2.

Deputados do PT querem investigação do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A petição é assinada pelos deputados Gleisi Hoffmann (PR), Alexandre Padilha (SP), Bohn Gass (RS) e Reginaldo Lopes (MG). Os petistas defendem que a Queiroga seja responsabilizado por infração de medida sanitária preventiva. Também sugerem que o ‘apagão’ de dados pode ser fruto de uma ‘ação política, ideológica e negacionista deliberada, visando esconder a real situação sanitária’ do País.

“O Ministério da Saúde não consegue há várias semanas apresentar dados estatísticos confiáveis acerca da realidade sanitária atual, dificultando ou mesmo inviabilizando que a sociedade brasileira saiba qual é a real situação epidemiológica no País. Trata-se de uma situação de extrema gravidade”, escreveram ao STF.

Relator da ação, Gilmar Mendes chegou a usar as redes sociais para defender que o restabelecimento dos sistemas do Ministério da Saúde fosse ‘tratado como prioridade’. O ministro também destacou que a falta de dados consolidados sobre o avanço do novo coronavírus ‘inviabiliza’ o enfrentamento da pandemia.

“O restabelecimento dos sistemas de atualização dos boletins epidemiológicos deve ser tratado como prioridade. Há semanas os Estados e Municípios enfrentam dificuldades em informar os casos de contaminação e de internação. O #ApagaoNaSaude inviabiliza o enfrentamento da pandemia”, escreveu na ocasião.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.