Gilmar derruba decisão que mandou Jean Wyllys pagar R$ 40 mil em indenizações a Bia Kicis

Gilmar derruba decisão que mandou Jean Wyllys pagar R$ 40 mil em indenizações a Bia Kicis

Ministro considerou que publicação feita pelo psolista em 2016 tinha 'natureza estritamente política' e estava protegida pela imunidade parlamentar

Paulo Roberto Netto

10 de março de 2021 | 22h08

Ministro Gilmar Mendes. Foto: Andre Dusek/Estadão

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, reformulou nesta quarta, 10, decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios que obrigava o ex-deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) a indenizar a deputada Bia Kicis (PSL-DF). A decisão foi tomada em um processo movido pela aliada de Bolsonaro em 2016, antes de ser eleita parlamentar.

Documento

Nesta quarta, 10, Bia Kicis foi eleita presidente da Câmara de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. A deputada é alvo de um inquérito no STF sob suspeita de organizar atos antidemocráticos no ano passado e, neste fim de semana, teve um vídeo retirado do Youtube por desinformar sobre a covid-19.

A decisão proferida por Gilmar é sobre uma publicação feita em 2015 por Wyllys quando um grupo integrado por Bia Kicis tirou uma foto com o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (MDB-RJ) após a apresentação de um pedido de impeachment contra a então presidente Dilma Rousseff (PT).

A imagem foi legendada e publicada por Wyllys com a frase ‘Levanta a mão quem quer receber uma fatia dos R$ 5 milhões’, em referências às investigações contra Cunha.

Em primeira instância, a Justiça entendeu que o psolista não violou a liberdade de expressão e negou o pedido de indenização de Bia Kicis. Após recurso, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal condenou Wyllys a arcar com R$ 40 mil por danos morais. Essa decisão foi agora derrubada por Gilmar Mendes.

O ex-deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ). Foto: Ueslei Marcelino / Reuters

O ministro afirmou em voto que o caso deve ser enquadrado na imunidade parlamentar e que a foto publicada por Wyllys ‘possui natureza estritamente política’.

“A presença da recorrida (Bia Kicis), despida, à época, da condição de agente político, em foto multitudinária que se tornou icônica de um movimento político, não pode constituir impedimento para a utilização de tal imagem por seus opositores, ainda que acompanhada de comentários desairosos”, afirmou Gilmar. “O acórdão recorrido não afirma qualquer direcionamento desses comentários à recorrida; pelo contrário, reconhece-lhes caráter genérico”.

A deputada federal Bia Kicis. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Gilmar Mendes apontou que condenar Wyllys por opinião proferida dentro do exercício de seu mandato seria violar prerrogativas parlamentares. Por isso, o ministro decidiu restaurar a sentença original, que negou o pedido de indenização.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.