Gestão financeira das empresas e retomada econômica em 2020. Como se preparar?

Gestão financeira das empresas e retomada econômica em 2020. Como se preparar?

Carlos Kazuo Tomomitsu*

14 de dezembro de 2019 | 10h00

Carlos Kazuo Tomomitsu. FOTO: DIVULGAÇÃO

As incertezas da retomada do crescimento vivido no Brasil sinalizaram, sem dúvida, que 2019 precisou de um empurrão para estimular o empreendedorismo. No último trimestre, o mercado começou a se movimentar e a previsão de uma recuperação econômica para 2020 já projeta crescimento, que deve ser na casa de 2,17%, de acordo com Banco Central.

Ainda que diante de algumas indefinições, é hora de ampliar as perspectivas e sair da zona de conforto gerada pela crise. Para isso, é preciso traçar um objetivo essencial para o crescimento sustentável: cuidar da saúde financeira do negócio antes que a corrida do mercado comece.

De nada adianta sair gerando inúmeros negócios se não cuidar da saúde financeira como o coração da empresa. Uma gestão eficiente é o que define a sobrevivência das empresas no mercado. Esse cuidado exige um investimento em recursos que muitas empresas, especialmente as pequenas e médias, não dedicam no dia a dia da operação.

Além da falta braço para lidar com os controles internos, o volume de documentos e planilhas da área tomam tempo do empresário, que precisa focar em seu core business. Todos esses aspectos são problemas recorrentes que impedem uma posição competitiva e, em alguns casos, a viabilidade de negócios.

A saída para este problema é automatizar ou, até mesmo, terceirizar a gestão financeira de uma empresa, tirando essa responsabilidade do empreendedor. Isso pode ser feito por meio de uma melhoria simples num processo utilizando plataforma no-code ou automatizando uma microatividade, utilizando um RPA (Robotic Process Automation), ou adotando um sistema de gestão simples e acessível e até mesmo optando pelo Business Process Outsourcing (BPO) Financeiro, serviço de terceirização responsável por gerir o fluxo de caixa, fazer conciliações bancárias, analisar e reportar tudo referente à documentação financeira.

Tudo isso reduz o risco de atrasos ou interrupções da operação, além de contribuir para uma redução de custos que gira em torno de 51%.

A tecnologia de ponta e a terceirização já são uma realidade para qualquer tamanho de empresa. Transformar os sistemas transacionais em processos mais ágeis, que atendam às demandas específicas de cada negócio é o grande desafio das empresas e aumentar o poder de análise dos dados para compreender o comportamento dos clientes é o desejo das empresas.

A Transformação Digital ditou um novo ritmo ao mercado de trabalho e sua influência irá apenas aumentar. Agora, a busca por plataformas de Data Driven Company é a nova realidade. Sorte das empresas, que podem pegar carona para inovar os negócios, especialmente em momentos de reorganização econômica. Com uma estrutura de processos automatizadas e um financeiro consolidado, ágil, seguro e eficiente, o restante entra nos trilhos!

*Carlos Kazuo Tomomitsu é CEO e mentor da KeepTrue

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.