Gebran diz que Moro não é suspeito para julgar Lula

Gebran diz que Moro não é suspeito para julgar Lula

Desembargador é o primeiro a votar no julgamento do ex-presidente, no Tribunal da Lava Jato, em Porto Alegre

Ricardo Brandt, enviado especial a Porto Alegre, Julia Affonso, Luiz Vassallo e Fausto Macedo

24 Janeiro 2018 | 11h06

Sérgio Moro. Foto: EFE/Antonio Lacerda

O desembargador João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4), afirmou nesta quarta-feira, 24, que o juiz federal Sérgio Moro não é suspeito para julgar o ex-presidente Lula. Por volta das 10h30, Gebran Neto passou a ler seu voto no julgamento que analisa a sentença de nove anos e seis meses de prisão imposta por Moro ao ex-presidente no caso tríplex.

“A defesa pede a suspeição (do juiz Sérgio Moro), tendo em vista histórico de suas decisões ao longo dos processos. Isso não torna o magistrado suspeito, que agiu de acordo com sua compreensão dos fatos. Isso não o torna suspeito”, afirmou.

3 a 0 contra Lula? 2 a 1 para Lula?…Entenda cada placar possível do julgamento

Entenda os cenários para Lula após julgamento do Tribunal da Lava Jato

Lula pode ser preso? Especialistas respondem

Triplex foi alvo da Promotoria e do MPF: toda a investigação

Após o voto de Gebran Neto, relator da Lava Jato na Corte, votarão o revisor Leandro Paulsen e o desembargador Victor Laus.

Esta é a 24.ª apelação julgada pela Corte federal contra sentenças oriundas da Operação Lava Jato. A condenação de Lula chegou ao Tribunal em 23 de agosto do ano passado.

+ Artigo: Lula deve ser julgado de acordo com a lei e com isonomia

Quem são os julgadores de Lula

Quem são os procuradores que atuam na 2.ª instância

Por dentro do triplex: veja fotos do imóvel

Além de Lula, recorreram da sentença de Moro o ex-presidente da OAS, José Adelmário Pinheiro Filho – condenado a 10 anos e 8 meses de prisão -, o ex-diretor da empreiteira, Agenor Franklin Magalhães Medeiros (6 anos), e o ex-presidente do Instituto Lula Paulo Okamotto, absolvido em primeira instância, mas que requer troca dos fundamentos da sentença.

Mais conteúdo sobre:

LulaSérgio Morooperação Lava Jato